ADs

Resenha (103) - Independence Day: O Resurgimento


Sinopse:
Vinte anos se passaram desde a primeira invasão alienígena. Vinte anos de paz, reconstrução e avanços tecnológicos – incluindo uma base na lua e aviões que utilizam tecnologia inimiga. Mas o período de trégua está chegando ao fim: os aliens retornam para o acerto de contas, com naves ainda maiores e armas mais perigosas, causando milhões de mortes e destruição em massa. As poucas esperanças da Terra estão depositadas no grupo que inclui o cientista David Levinson, um senhor da guerra no coração da África e uma piloto de caça, filha do ex-presidente Tom Whitmore. Unindo a ação e os personagens carismáticos que fizeram do primeiro filme um estrondoso sucesso de bilheteria, Independence Day: O Ressurgimento promete arrebatar os fãs de cinema e de ficção científica.

Independence Day – O Ressurgimento é a romantização do livro homônimo que estreou no ano passado nos cinemas e é considerado o quinto livro da saga. Sim, há outros livros que nunca chegaram até aqui.

Geralmente livros baseados em filmes são literalmente cópias das produções cinematográficas, com a maioria das falas e praticamente todas as cenas idênticas aquilo que você vai assistir nas telonas e neste caso a coisa não é muito diferente. As passagens são bem parecidas e, salvo uma ou outra cena cortada ou mudada de posição, tudo ocorre bem parecido com o filme.

Apesar disso, a experiência de ler a história ao invés de assisti-la ainda tem os seus méritos. É possível viajar pela galáxia imaginando o mundo de onde vieram os invasores, como são suas naves por dentro, como foi para as pessoas massacradas neste novo ataque e é claro, vivenciar a história através dos olhos do personagem, não apenas assistindo a sequência de fatos na tela.
Bem escrito e com uma pegada frenética de ação e aventura, você vai ler o livro do princípio ao fim de uma vez só, principalmente se for fã da franquia ou de ficção cientifica. Nostálgico e ao mesmo tempo cheio de novidades, Independence Day – O Ressurgimento é um livro que definitivamente valeu a pena.

A história começa com um excelente prólogo. Esse início de livro geralmente é bom, mas o que ocorre na base lunar de Reia, em Saturno, prende de cara toda a atenção do leitor. É o posto mais avançado da raça humana, onde conseguimos chegar de mais longe no universo e também ali estarão as primeiras vítimas do novo ataque alienígena.

A trama segue nos apresentando personagens antigos, alguns novos e intrinsecamente ligados a trama e outros que são agradáveis novidades. Seguimos alguns dos protagonistas, aliás vale ressaltar que não há o herói fixo nesta história, sendo o principal deles e mais interessante, o diretor do DET (Defesa Especial da Terra) David Levinson que está no meio de uma viagem ao recém formado país Umbutu que possui em seu território uma nave intacta do ataque de vinte anos atrás.
Vários acontecimentos estranhos deixam todos aqueles que vivenciaram o ataque de vinte anos atrás em alerta. Algo está errado e quando o pior se confirma, fica claro que a humanidade não estava preparada para essa nova onda de destruição e violência contra nossa raça.


Eu adoro Independence Day. Assim como milhões de pessoas, marcou minha infância e eu sempre quis outro filme, livro, quadrinho ou qualquer coisa que me levasse direto a esse mundo. Adorei a história, apesar de ter algumas ressalvas mas gostei principalmente do final, que deixa claro que é possível expandir esse universo em todas as mídias. Fica a esperança de novidades em um futuro próximo e esse para mim foi o ponto alto do livro.

Não gostei do que geralmente não gosto das histórias comerciais americanas, seja em livros, seja em filmes. Elas não possuem profundidade. São meramente visuais, produzidas para entreter e não para pensar. Senti falta de elementos da ciência para dar corpo a história e de um aprofundamento maior com relação aos alienígenas. Depois de vinte anos, me passou a impressão de que aprenderam muito pouco sobre eles.


Trechinhos:

"A invasão havia deixado uma destruição terrível para trás, com centenas de milhões de mortos – mas ela também havia tido um lado positivo. Por causa dela, a Terra sabia o que havia lá fora, e essa sabedoria permitiu que o planeta se preparasse para o encontro seguinte."

“Como é que não vimos isso? disse o General Adams. Então pegou o telefone e deu ordens para o Esquadrão Legacy decolar. As defesas orbitais da Terra tinham que ser acionadas.”

“Algumas coisas mudaram muito em vinte anos. Algumas não mudaram nada. Outras tinham ao mesmo tempo mudado e permanecido iguais.”

“Ele olhou para a filha, completamente consciente e decidido. ‘É o único jeito de termos alguma chance'”, ele disse.

Alex Irvine
Conclusão:
Independence Day – O Ressurgimento é um livro delicioso de ler. São várias as passagens emocionantes e é claro que tudo tem um gostinho especial devido a nostalgia e o carinho que só um fã pode ter por uma obra.
Recomendo a leitura para qualquer um que curta ficção cientifica, assim ficamos todos na torcida para que essa franquia não acabe e mais livros e mais filmes venham no futuro.

Autor: Alex Irvine
Livro: Independence Day - O Ressurgimento (Independence Day - Resurgence)
Editora: Nemo (Titan Publishing)
Ano: 2016
Páginas: 237

Ler é Mais

Lorem ipsun