ADs

10 Livros Antigos Sobre Magia

A humanidade sempre se envolveu com o sobrenatural, atraídos pela promessa de poder e conhecimento. Vários textos foram dedicados a esta prática, delineando rituais complicados e misteriosos que foram apresentados como a chave para alcançar a comunhão com espíritos do outro mundo e alcançar poderes sobre-humanos.

As obras são inúmeras e até hoje são laçadas e consumidas por uma grande quantidade de pessoas porém, algumas escritas na antiguidade ganham destaque pelo momento em que foram escritas e pelo misticismo que envolve a época ou a língua empregada.

Confira nossa lista de 10 Livros Antigos Sobre Magia e adquira o poder e o conhecimento esquecido da humanidade.

Greek Magical Papyri
O Greek Magical Papyri escrito no século II aC lista feitiços, rituais e adivinhações. Inclusive há instruções sobre como convocar um demônio sem cabeça, abrir as portas para o submundo, e proteger-se de animais selvagens. Talvez o ritual mais tentador de todos eles seja o que descreve como ganhar uma assistente sobrenatural, uma entidade que faz tudo o que você quiser.
Os feitiços mais comuns nos papiros são magias de adivinhação ou cerimônias que oferecem visões do futuro. Uma de suas passagens mais conhecidas fornece instruções sobre como prever eventos futuros usando uma "lamparina de ferro", "uma oferenda de incenso", e uma "criança incorrupta e pura". Depois de ser colocada em um transe profundo, a criança vê imagens dançando nas chamas.
Entre os componentes mais famosos do Papiros temos a Liturgia Mithras. Esta cerimônia descreve como ascender através de sete planos superiores de existência e se comunicar com a divindade Mithras.

The Black Pullet
Originário da França do século 18, The Black Pullet se concentra no estudo de talismãs mágicos, objetos especiais gravados com palavras místicas que protegem e dão poder ao portador. Ele teria sido escrito por um oficial anônimo no exército de Napoleão que afirmou ter recebido o conteúdo de um misterioso mago durante uma expedição no Egito. 
O livro inclui instruções detalhadas sobre como construir talismãs de bronze, seda e tintas especiais. É possível também invocar um Djinn, criatura feita de fumaça e fogo que lhe trará o verdadeiro amor.
Se suas ambições não são tão nobres, então o livro também fornece talismãs para fazer com que "homens discretos" contem seus segredos mais íntimos, ou que lhe dão o poder da visão através de portas fechadas, ou ainda a capacidade de destruir totalmente seus inimigos.

Ars Almadel
O Ars Almadel é o quarto livro da Chave Menor de Salomão, também conhecido como o Lemegeton, um grimório significativo de demonologia compilado no século 17 por um autor desconhecido. Este livro em particular do legemeton fornece um modelo para a construção de uma Almadel - um altar de cera mágico parecido com um tabuleiro Ouija - que lhe permite se comunicar com os anjos.
O Almadel é composto por quatro níveis, ou "Choras", cada qual correspondente a um conjunto único de anjos com diferentes domínios. O texto fornece os nomes dos anjos de cada Chora (Gelomiros e Aphiriza, por exemplo), a maneira correta de elevar seus pedidos a eles (pedir apenas o que é "justo e leal"), e as melhores datas do calendário para invocá-los. Ele também inclui breves descrições físicas destas manifestações angelicais. Os Anjos da Terceira Chora, por exemplo, vêm em forma de "mulheres pequenas vestidas de verde e prata" vestindo coroas feitas de folhas de louro.

Picatrix
O Picatrix é um antigo grimório de magia astrológica. Originalmente escrito em árabe e intitulado como Ghayat Al-Hakim, que remonta ao século 11 e se estende por 400 páginas de teoria sobre os astros. Suas páginas contem com o objetivo de alcançar o poder e o conhecimento.
O Picatrix é talvez o mais notório pela obscenidade de suas receitas mágicas. Estas misturas horríveis e potencialmente mortais são projetadas para induzir estados alterados de consciência e experiências extracorpóreas. Não foi escrito para os fracos, seus ingredientes incluem sangue, excreções corporais e massa encefálica misturados com grandes quantidades de haxixe, ópio e plantas psicoativas.
Para construir um espelho que lhe dá poder sobre os mortos, por exemplo, você deve usar fumos tóxicos de "sangue, esperma, saliva, cera de ouvido, as lágrimas dos olhos, fezes e urina."

Galdrabox
Um grimório islandês com origem no século 16, o Galdrabok é uma coleção de 47 feitiços compilados por vários mágicos. Como a maioria das magias islandêsas do período, o Galdrabok depende fortemente cajados ou estacas decoradas com runas e que possuem propriedades mágicas quando transportadas junto ao corpo, esculpidas em objetos, ou escritas. Entre as magias traçadas no Galdrabok temos aquelas usadas para atrair a atenção e os favores de homens poderosos, incitar o medo em seus inimigos e colocar alguém para dormir.
A maioria dos feitiços encontrados no Galdrabok são "magias apotropaicos," remédios benignos destinadas a proteger o praticante e curar várias doenças incluindo cansaço, dificuldades no parto e dores de cabeça e insônia.
Outros feitiços são bastante peculiares em sua natureza. O feitiço 46, divertidamente intitulado "Runas do Peido", é uma magia para atacar seu inimigo com "mau gás. . . e todos estes irão assolar o teu ventre com grandes peidos. . . e que a peidação nunca pare." Por outro lado, alguns são literalmente sinistros. O feitiço 27 por exemplo, quando desenhado na comida de alguém, vai torná-los doentes e incapazes de comer todos os dias, enquanto o 30 é projetado para matar animais de outra pessoa. Há também feitiços para impedir a sua casa de receber visitas indesejadas, pegar os ladrões, e "obter satisfação em um caso legal."

Arbatel de Magia Veterum
Escrito no final do século 16 por um autor desconhecido, o Arbatel de Magia Veterum é um manual abrangente de aconselhamento e aforismos espiritual. A leitura do Arbatel é muito parecida com a um livro de autoajuda mística, ressaltando a importância da piedade cristã, a produtividade, o pensamento positivo e o uso da magia para ajudar em vez de causar dano. Seus grãos de sabedoria incluem "viva para si mesmo e as Musas; evite a amizade da multidão" e "fuja do mundano; busque coisas celestiais."
O Arbatel revela uma série de rituais para invocar os sete governadores celestiais e suas legiões, que governam as províncias do universo. Os governadores incluem Bethel portador de um remédio milagroso, Phalec, que traz a honra na guerra, e Aratron, que "faz dar homens peludos." No entanto, a capacidade de realizar esses rituais é restrita apenas para uma pessoa que "carrega a magia desde o útero de sua mãe." Todos os outros, avisa o Arbatel, não passam de imitadores se poder.
Além de anjos e arcanjos, o Arbatel menciona um círculo de outros espíritos elementais úteis que existem além do véu do mundo físico, incluindo pigmeus, ninfas, dríades, sílfides (pessoas pequena que habitam a floresta), e sagani (espíritos mortais e mágicos que habitam os elementos).

Ars Notoria
Um grimório compilado no século 13, o Ars Notoria não contém feitiços ou poções. Ao invés disso ele foca no aprimoramento da aprendizagem, o comando da memória, e ganhar insights ou visões em livros de difícil compreensão.
O Ars Notoria promete aos praticantes o domínio das artes liberais, geometria, aritmética e filosofia entre eles, através de um longo processo diário de visualização, contemplação e orações. Por meio dessas orações, você pode pedir a Deus por dotes intelectuais, incluindo eloquência, sentidos aguçados, sabedoria e memória perfeita.
Como um livro preocupado principalmente com o conhecimento, o Ars Notoria evitou alguns dos aspectos mais maléficos da magia. No entanto, nem todos estavam convencidos de sua natureza benigna. Um monge notável do século 14, João de Morigny, devotamente seguiu os ensinamentos do Ars Notoria e teve visões amaldiçoadas, até que ele alegou que as visões eram de natureza demoníaca. Ele alertou as pessoas da natureza diabólica do Ars Notoria em seu próprio manuscrito místico, a Liber Visonum.

Pseudomonarchia Daedonum
O Pseudomonarchia Daedonum foi escrito pelo famoso médico e 'demonologista' do século 16, Johann Weyer, que foi muito inspirado por seu ex-professor, ocultista de renome, o alemão Heinrich Cornelius Agrippa. É o apêndice de sua obra seminal contra a perseguição da bruxaria, o Praestigiis Daemonum, saudado por Sigmund Freud como um dos livros mais importantes de todos os tempos.
O Pseudomonarchia Daedonum é um catálogo de 69 nobres demônios, membros proeminentes da monarquia do Inferno, suas especialidades e os métodos para conjurá-los. Naberius, por exemplo, é um marquês que vem na forma de um corvo e "incorpora um homem amável e com destreza em todas as artes." Foras é um presidente que "recupera coisas perdidas e descobre tesouros." Outros membros da aristocracia demoníaca incluem Haagenti, que pode transformar a água em vinho, Shax, que rouba cavalos, a visão e a audição das pessoas e Eligos, que pode ver o resultado futuro de guerras e os destinos dos soldados.
Weyer, no entanto, era um cristão devoto que abordou a perspectiva de conjurar estes espíritos infernais com grande cautela. Ele omitiu detalhes importantes dos rituais e advertiu aqueles que leram o Pseudomonarchia sobre o risco de imitar esta "prova de loucura."

Sworn Book Of Honorius
Também conhecido como o Liber Juratus Honorii, o Sworn Book de Honorius é um grimório medieval sobre defesa e rituais mágicos supostamente escrito por Honorius de Tebas, uma figura misteriosa e possivelmente mitológica que nunca fora identificada. O livro começa com uma crítica mordaz à Igreja Católica. A Igreja, um inimigo acérrimo das artes das trevas, foi corrompida pelo demônio, cujo objetivo é condenar a humanidade livrando o mundo dos benefícios da magia.
O Sworn Book faz exigências elevadas de seus praticantes. Apenas três exemplares do livro podem ser feitos, qualquer pessoa em posse do livro que não conseguem encontrar um mágico digno de herdá-lo deve levá-lo então junto contigo para a sepultura e todos os adeptos devem "se abster totalmente da companhia de mulheres."
Como muitos outros grimórios, seus rituais focam principalmente na convocação de anjos, demônios e outros espíritos, com o intuito de adquirir conhecimento e poder. Ao repetir discursos prolixos, o praticante recebe a promessa de uma riqueza de habilidades cintilantes. Esses poderes vão desde os impressionantes (causar inundações e destruir reinos) para o sinistro (olhar para o purgatório e saber a hora de sua morte). Entre suas magias mais malignas temos uma para "lançar doença em quem você odeia", "causar discórdia e debate", e "matar quem você quiser."

The Book Of Abramelin The Mage
Escrito no século 15, o Livro de Abramelin o Mago é um dos textos místicos mais importantes de todos os tempos. É o trabalho de Abraham von Worms, um viajante judeu que supostamente encontrou o mago enigmático Abramelin durante uma viagem ao Egito. Em troca de 10 florins e com a promessa de piedade, Abramelin presenteou o judeu com este manuscrito de magia que em seguida o passou para seu filho Lameque.
O ritual de Abramelin chamado como "a operação" é árduo e difícil. É composto de 18 meses de oração e purificação e só é recomendado para os homens de boa saúde entre as idades de 25 e 50. Mulheres em geral são desencorajados de tentar "a operação" por causa de sua "curiosidade e amor pela conversa," embora uma exceção possa ser feita às virgens. Se os princípios da "operação" são cumpridas com rigor e com inabalável devoção, você entrará em contato com seu Anjo Guardião Sagrado , que irá conceder-lhe uma grande variedade de poderes. Estes poderes incluem a necromancia e adivinhação, precognição, o controle do tempo, o conhecimento de segredos, visões do futuro, e a capacidade de abrir portas trancadas.
O livro baseia-se fortemente no poder de quadrados mágicos, palavras únicas dispostas em quebra-cabeças. Como as aduelas islandeses no Galdrabok, estes quadrados contêm propriedades místicas e ocultas quando escrito. A palavra "MILON", por exemplo, revela os segredos do passado e do futuro, quando escrita em pergaminho e colocada sobre a cabeça, enquanto "Sinah" traz guerra. O autor alerta que alguns quadrados mágicos, como "ENCAIXOTADO" são muito sinistros para serem implementados.
Este texto teve um impacto profundo sobre o famoso ocultista Aleister Crowley, que alegou ter experimentado várias ocorrências sobrenaturais depois de embarcar no ritual e na Ordem Hermética de Golden Dawn, uma ordem mágica britânica do século 19. Crowley usou mais tarde o livro como base para o seu próprio sistema de magia.
A existência destas obras e a veracidade das informações não foram devidamente pesquisadas.

Ler é Mais

Lorem ipsun