ADs

Resenha (96) - Quem é Você Alasca


Sinopse:
Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras que, cansado de sua vidinha pacata e sem graça em casa, vai estudar num colégio interno à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o "Grande Talvez". Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young, uma garota inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, que o levará para o seu labirinto e o catapultará em direção ao "Grande Talvez".

Eu tinha várias resenhas atrasadas e faz tempo que li esse livro, mas não via a hora de comentar sobre ele. Primeiro porque é famoso, todo mundo já conhece ou já leu (você que está aqui provavelmente não) e todo mundo já ouviu falar sobre John Green. Se você não ouviu falar sobre ele(sério?) saiba que é o mesmo escritor de A Culpa é Das Estrelas (agora sabe quem é, né?) e Quem É Você Alasca foi o seu livro de estreia e o responsável por colocar sem nome no cenário mundial.

Há um motivo pelo qual eu gosto de John Green. Ele é o mesmo em todos os livros! Você consegue reconhecer o texto do autor da mesma forma que um critico reconhece os traços de um artista. Ler o primeiro livro dele depois de ter lido todos os outros que o autor publicou me deixou ainda mais admirado, afinal ele escreve com a mesma coragem, a mesma franqueza e com o mesmo jeito especial de tratar a realidade e os sentimentos de seus personagens. Ele não se esconde, não poupa o leitor da violência, do sexo e das demais descobertas da vida, mesmo se seus persoangens são adolescentes e seus livros focados em adolescentes e jovens adultos. Acho isso fantástico!

Em Quem é Você Alasca você vai encontrar tudo o que tem de melhor na escrita de Green, em um livro franco, direto e verdadeiro sobre sentimentos, sobre crescer e amadurecer e principalmente sobre os sofrimentos e as dores que cada descoberta nova causa em nós durante o processo de nos tornarmos adultos. Agora entendo porque ele disparou como um meteoro no mercado, com um livro de estreia como esse não poderia ser diferente.

A história é contada em primeira pessoa por Miles Halter, um garoto sem amigos que decide ir para um colégio interno por escolha própria. Ele acredita que saindo de casa, mesmo que seja para uma escola nova, poderá finalmente ir em busca de seu ‘Grande Talves’ um mantra em que ele acredita completamente. A escolha pelo colégio Culver Creek vem graças a um hobby estranho. Ele é viciado nas últimas palavras de pessoas mortas e são as palavras do poeta francês Françoise Rabelais que, ao morrer, disse que estava partindo em direção ao tal do Grande Talvez, que o incentivam a se mexer e se candidatar para o colégio.

Neste sentido Miles não poderia estar mais certo, pois são muitos os talvez que encontra nesse lugar, principalmente ao conhecer Alasca Young (A garota do título), Chips mais conhecido como Coronel e quem se torna seu melhor amigo, além de Takumi e Lara. Dividido em duas partes, o livro narra em grande parte o desenvolvimento de cada persoangem, com muito foco nos sentimentos de cada um e nas dificuldades em lidar com esses sentimentos, sem contar é claro na paixão de Miles por Alasca que tem tudo para ser desastrosa.

Quando a primeira parte do livro terminar é como se de fato o livro tivesse terminado. Foi extremamente chocante o desenrolar dos acontecimentos e ao mesmo tempo fascinante, pois todos os ingredientes estavam ali e o autor preparou o leitor o tempo todo para o que estava por vir, mas só percebemos isso depois de ler as últimas linhas que encerram essa primeira metade.

A segunda metade é igualmente forte. John Green tem um dom ao retratar as dores das pessoas, principalmente dos mais jovens, e não vai faltar dor, tristeza e negação nessa parte do livro. Não dá para comentar muito sem entregar o ponto principal da história, afinal com muita maestria o autor colocou o clímax no meio, não no final. Só posso repetir o que já disse acima, após ler Quem é Você Alasca, passei a realmente admirar John Green e a entender porque ele faz tanto sucesso.


A Alasca é impossível não amar. Mesmo com todos os problemas que percebemos que ela esconde na superfície, ainda assim é a pessoa mais legal de toda a história. O Miles, protagonista, é um bundão, mas mesmo assim é um ótimo personagem e foi muito bem trabalhado. O final da primeira parte do livro foi um dos melhores que já li em um livro de ficção. A sensibilidade e a realidade com que os fatos são narrados foi sensacional.

Não curti a tentativa do Green de colocar o final no meio do livro. A segunda parte é cansativa e acabamos conhecendo o pior do Miles, que já era bem chatinho. Entendo porque os personagens agem assim e como tenho a edição especial, li as explicações do autor referente a construção do livro, mas mesmo assim foi difícil continuar uma história onde sabíamos que o clímax já tinha acontecido na metade. Fora isso, não consigo achar mais nada que não tenha gostado na história.




Trechinhos:

“- Você esta exagerando. Vai se meter em problemas, pode ter certeza. Mas noventa e nove por cento das vezes os seus pais nunca vão saber. A escola não quer que eles saibam que você virou um bosta aqui, do mesmo jeito que você não quer que seus pais achem que você é um bosta.”

“ – Por que você fuma tão rápido? – perguntei.
Ela olhou pra mim e abriu o maior sorriso, e aquele sorriso tão largo em um rosto estreito como o dela teria ficado estranho não fosse pelo verde impecável e incomum de seus olhos. Ela sorria com o prazer de uma criança em uma manha de Natal.
- Vocês fumam por prazer. Eu fumo para morrer – disse ela.”

“- Passamos a vida inteira presos no labirinto, pensando em como vamos escapar dele um dia, e como vai ser quando fizermos isso, e imaginando o que o futuro guarda para nós, mas nunca conseguimos de fato sair. Só usamos o futuro para fugir do presente.”

"Se ao menos conseguíssemos enxergar a infinita cadeia de consequências que resulta das nossas pequenas decisões. Mas só percebemos tarde demais, quando perceber é inútil."

"Ela tinha namorado. Eu era um palerma. Ela era apaixonante. Eu era irremediavelmente sem graça. Ela era infinitamente fascinante. Então eu voltei para o meu quarto e desabei no beliche de baixo, pensando que, se as pessoas fossem chuva, eu seria garoa e ela, um furacão."

John Green
Conclusão:

Os livros de John Green não são um sucesso sem uma boa razão. Sua escrita é cativante, suas histórias realistas e sensíveis ao verdadeiro Eu das pessoas e seus personagens sempre são fortes e cativantes. Apesar de de ser classificado como um escritor do gênero Jovens Adultos, seus livros são capazes de sensibilizar qualquer pessoa. Quem é Você Alasca foi o livro que lançou o autor, que hoje é considerado um dos melhores com mérito e justiça e tem todos os traços que faz John Green ser adorado mundo afora. Um livro ótimo para ser lido em qualquer ocasião.

Autor: John Green
Livro:  Quem é Você Alasca (Looking for You Alaska)
Editora: Intrínseca (Dutton Juvenile)
Ano: 2015 (2005)
Páginas: 328

Ler é Mais

Lorem ipsun