ADs

Resenha (95) - Chamado as Armas - A Guerra dos Fae


Sinopse:
Chegou a hora da guerra no segundo volume da série "A Guerra dos Fae! Em Chamado às Armas", os Fae da luz são convocados a fazer uma importante mudança e treinar seus dons mágicos para enfrentar os Fae das Trevas. Jayne Sparks e seus amigos Spike, Chase, Finn e Becky estão na iminência de uma guerra sangrenta e devem sofrer uma mudança, como crianças trocadas, para serem membros dos Fae da Luz com identidades mágicas. Poderão se transformar em elfos, ninfas, daemons, íncubos, anões e duendes verdes, querendo ou não aceitar suas novas identidades, desapontando-se com elas ou não. Como será resolvida a questão entre os Fae da Luz e os Fae das Trevas? Serão Jayne e seu grupo de amigos capazes de dar conta de uma missão tão espinhosa? Muitas respostas a estas perguntas, e outras tantas que foram provocadas pelo primeiro volume da série, serão respondidas aos leitores. E surgirão novos e fascinantes enigmas.

Esse é o segundo livro da série A Guerra do Fae, para ler o que achei do primeiro volume clique aqui e se não começou a série e não gosta de spilers então é bom parar aqui mesmo e não ler mais nada do que vou escrever.

Nesse segundo volume, que desde o começo já imaginávamos se tratar de apenas um livro transitório, a autora manteve a mesma forma de escrita e focou no aprendizado das novas crianças trocadas, Jayne Sparks, Spike, Chase, Finn e Becky, lembrando que o melhor amigo de Jayne, Tony, optou por não passar pela transformação no primeiro livro e ficou de fora da história por enquanto.

Nunca esperamos muito de um livro ‘dois’ em uma série. Todo mundo que lê muito sabe que esses livros geralmente serão usados para amadurecimento dos personagens e amarração da trama, algo que é até bem trabalhado no livro, exceto quando falamos da Jayne. Como muitos perceberam, a autora descaracterizou um pouco a personagem principal, tirando toda sua acidez, cortando os palavrões e infantilizando bastante ela . De garota durona e inteligente, ela passa a ser muito bobinha e juvenil, cometendo ações que fogem bastante do perfil que havia sido criado para ela no começo da história.

Apedar de ter desagradado bastante no que diz respeito a Jayne, a autora conseguiu desenvolver bem os demais personagens e inseriu poderes e raças extremamente criativas e cativantes. A leitura segue tranquila em todos os momentos, graças as novidades inseridas na trama.

Como comentamos, o livro tem como foco principal apresentar novos elementos na trama, novos personagens e principalmente amadurecer os poderes e as personalidades dos personagens que já conhecemos.

A história começa logo onde parou no primeiro livro, com todo mundo escolhendo se tornar uma criança trocada e passando pelo ritual de passagem, onde sua raça é definida e eles recebem uma arma. Sim! Você acertou! A Jayne vai ser a fodona das fodonas, tão previsível que não vou considerar um spoiler afirmar isso. Justamente por ser uma das Fae mais poderosas, ela vai ter muita dificuldade em lidar com seus novos poderes e em se adaptar a vida no complexo dos Fae da Luz.

O complexo por sinal parece ter tido muita inspiração em Hogwarts, com professores estranhos e duvidosos, magia envolvida e presente em todo lado, passagens secretas, portas que se transformam na sala que você precisa ir e por ai vai. Mas nem de longe é uma cópia barata. A autora explorou bem o universo que criou nesse segundo livro e foi extremamente criativa ao descrever a vida dos Fae e seu treinamento para a guerra.

A guerra por sinal não parece nem perto de começar, apesar de que no fim, teremos um confronto de faes, mais precisamente entre Jayne e um outro personagem que parece que será o antagonista da série. Destaque especial para o Tim, o verdadeiro salvador desse segundo livro e de longe o melhor personagem depois da Jayne. Quando lerem entederão!


Amei os novos persongens e gostei do complexo e da forma como a autora trabalhou a adaptação das crianças trocadas. Mesmo com um livro curto, ela conseguiu desenvolver bem as passagens onde aprendemos sobre os poderes de cada um.
O final também foi muito bom. O livro em si não é dos melhores, mas o personagem Tim e o final com certeza são os pontos altos e o que mais gostei desse segundo volume.

Não gostei da Jayne começar a ensaiar uma transformação em boa moça. Essa definitivamente não é ela e se a autora insistir nisso vai simplesmente estragar a melhor personagem. Também acho que faltou um pouco de foco nos demais. É sempre Jayne, Jayne, Jayne e isso acaba cansando um pouco, afinal, já sabemos que ela é a protagonista e a mais forte da história, agora podemos ver o que os outros estão fazendo?
Também não gosto da forma como a Jayne se relaciona com os garotos mas isso já desisti de comentar. Basta o livro ser YA ou Juvenil que a garota será uma completa tapada ou desmiolada em seus relacionamentos e sempre terá uma quedinha pelo mal e rebelde, mesmo que ele tente matá-la.


Trechinhos:
“ – Cada um de vocês vai começar a sentir algumas mudanças dentro da próxima hora. Vamos, agora, até uma sala de reuniões, onde tentaremos identificar suas raças, embora eu já tenha uma ideia do que são. A maioria de vocês, pelo menos. Ele olhou de relance para mim por um breve instante, e a incerteza estava gravada em seu rosto.”

“Isso é legal demais! Voar! Como vocês fazem isso sem asas? – Cavalgamos o vento. Ah é. Mais uma vez, claro como lama. Droga de FAE. Não me dei ao trabalho de pedir uma explicação melhor porque sabia que não a receberia. Talvez ela fosse me mostrar isso depois.”

“A FAE que chamamos de Mãe sempre foi uma Elemental, e sempre esteve ligada ao elemento Terra. Todas as criaturas que habitam O Verde respondem a ela. Com a Mãe, nós encontramos vida, nossa conexão uns com os outros e com nosso planeta; e, essencialmente, amor.”

“Eu estava frustrada, enfurecida e triste, tudo ao mesmo tempo. Paa ajudar um amigo que havia me ajudado, tinha que desmembrar outro amigo que estava se oferecendo para me ajudar. Minha vida como FAE era seriamente zoada.”

Elle Casey
Conclusão:
Foi um livro fraco, que causou dúvidas sobre o rumo que a história vai seguir. É somente o livro dois de uma série longa, ou seja, nada do que acontece nesse livro vai obrigatoriamente fixar algum outro acontecimento futuro, mas esperava um pouco mais da história e dos personagens. A trama tem seus momentos, mas no geral é um livro que existe com o único intuito de preparar o leitor para o resto da história.

Autor: Elle Casey
Livro: Chamado as Armas – (Call To Arms)
Editora: Geração Editorial
http://geracaoeditorial.com.br/
Ano: 2014 (2012)
Páginas: 368

Ler é Mais

Lorem ipsun