ADs

Lançamentos de Agosto da Autêntica

Caixa Rubem Braga - Crônicas
Considerado o mais importante cronista literário brasileiro, Rubem Braga redimensionou o lugar da crônica no país. Sua sensibilidade era imensa, capaz de transformar a mais simples observação numa escrita perturbadora, cheia de lirismo, frescor e estilo único.
Rubem Braga deixou, em 62 anos de atividade profissional, a impressionante marca de 15 mil textos. Foi pensando nisso que a Autêntica convidou os autores André Seffrin, Bernardo Buarque de Hollanda e Carlos Didier para selecionar e organizar crônicas até agora inéditas em livro. O resultado são três volumes saborosos com textos sobre artes plásticas, política e música, reunidos numa caixa. Cada um traz cerca de 100 crônicas, além de posfácios escritos pelos organizadores, com comentários sobre a vida e a obra do escritor capixaba, e textos de orelhas de Miguel Sanches Neto (artes plásticas), Milton Hatoum (política) e Aldir Blanc (música).
Numa seleção que só faz comprovar o talento, a atualidade dos temas, a visão criativa de Rubem Braga, estes três volumes confirmam o que os críticos não se cansam de repetir: a verdade é que ninguém escreveu crônica como Rubem Braga.
Os moços cantam & outras crônicas sobre música, organizado por Carlos Didier
Os segredos todos de Djanira & outras crônicas sobre arte e artistas, organizado por André Seffrin
Bilhete a um candidato & outras crônicas sobre política brasileira, organizado por Bernardo Buarque de Hollanda.

A Experiência Interior - Georges Bataille
Somos talvez a ferida, a doença da natureza.
Nesse caso, seria para nós necessário – e, além do mais, possível, “fácil” – fazer da ferida uma festa, uma força da doença. A poesia em que se perdesse mais sangue seria a mais forte. A aurora mais triste? anunciadora da alegria do dia.
A poesia seria o signo que anuncia dilaceramentos interiores maiores. A musculatura humana só estaria inteiramente em jogo, só atingiria seu mais alto grau de força e o movimento perfeito da “decisão” – o que, seja como for, o ser exige – no transe extático.
Não se pode liberar de seus antecedentes religiosos a possibilidade – que, apesar das aparências, permanece aberta ao descrente – da experiência mística? liberá-la da ascese do dogma e da atmosfera das religiões? liberá-la, numa palavra, do misticismo – a ponto de ligá-la à nudez da ignorância?
Para além de todo saber está o não-saber, e quem se absorvesse no pensamento de que, para além de seu saber, não sabe nada, ainda que tivesse a inexorável lucidez de Hegel, não seria mais Hegel, e sim um dente doído na boca de Hegel. Só uma boa dor de dente é o que estaria faltando ao grande filósofo?

Ler é Mais

Lorem ipsun