ADs

Resenha (93) - A Lamina da Assassina


Sinopse:
Conheça o caminho da assassina. Pavimentado com sangue, lágrimas e suor. Implacável, sedutora, letal. Poucos conhecem seu rosto, menos ainda sobrevivem à sua fúria. Não à toa Celaena Sardothian é sinônimo de morte. Suas lâminas são certeiras, assim como seu estranho código de honra e seu aguçado senso de justiça. Mas como uma menina, encontrada agonizando pelo rei dos Assassinos de Adarlan, se tornaria a campeã do rei? Disputada pelo capitão da guarda real e o próprio príncipe herdeiro? No centro de intrigas políticas?
Acompanhe Celaena vencer um lorde pirata e toda sua tripulação; o encontro como uma curandeira; seu treinamento com o Mestre Mudo, senhor dos assassinos silenciosos, nas dunas do deserto Vermelho; a prisão nas Minas de Sal de Endovier; ou, ainda, sua luta contra o mais escorregadio e traiçoeiro dos adversários — o próprio coração.

Sam e Celaena
Um pouco antes de ler essa prequel de Trono de Vidro eu li Corte de Espinhos e Rosas da mesma autora, levado pela empolgação que estava sentindo com os livros da série Trono de Vidro, foi decepcionante! Não porque o livro seja muito ruim, mas esperava personagens fortes e uma história bem pensada e amarrada como é essa série, algo que não encontrei na nova aventura de Sarah J. Maas. Digo isso porque foi muito bom voltar para uma história tão boa e que amo tanto como é a saga de Celaena Sardothien. Confesso que cheguei a ficar com medo de que a autora fosse perder o fio da meada e mudar as coisas por aqui, mas pelo menos por enquanto, isso não aconteceu.

O livro é dividido em cinco histórias diferentes, A Assassina e o Lorde Pirata, A Assassina e a Curandeira, A Assassina e o Deserto, A Assassina e o Submundo e A Assassina e o Império, que narram diferentes momentos de Aelin como discípula do Mestre dos Aassassinos. As histórias são interligadas e tem relação umas com as outras. Essa amarração proporciona uma leitura rápida e empolgada, pois sentimos que vamos ter um desfecho único para todas as histórias e percebemos a importância que cada fato tem para tornar a protagonista na personagem que conhecemos hoje.

Arobynn Hamel
A prequel é ótima e atende os desejos de praticamente todos os fãs. Em A Lamina da Assassina vamos ver uma Celaena mais jovem, mais fria, mais forte e letal. Na época em que se passa o livro, antes da prisão e da morte de Sam, Celaena estava no auge da força e de suas habilidades. Aliás, falando em Sam, finalmente vamos entender quem ele foi, como afetou Aelin e como morreu.

Fatos importantíssimos para o entendimento dos personagens serão narrados nesse livro. Além da morte de Sam, vamos saber porque ela não confia em ninguém, da onde tira suas habilidades, como vivia antes de ser presa, seu relacionamento com Arobynn, que é de fato o Mestre dos assassinos e principalmente como ela é traída e presa. Essa parte do quinto conta é a melhor e vai ditar o tom do quarto livro, ou de grande parte dele.

Não indico que você comece lendo a saga por este livro. Se é essa sua intenção, sugiro que comece pelo primeiro livro e venha ler A Lamina da Assassina depois do terceiro. Isso porque este livro foi escrito a clara intenção de elucidar alguns pontos narrados na série e você pode ter algumas conclusões erradas sobre a história ou até mesmo não entender direito o que está acontecendo. Mas é claro que fica ao critério do leitor! =)


Adorei a Celaena mais jovem. A personagem é ainda mais forte e independente. As histórias narradas também foram ótimas, escolhidas a dedo pela autora e supriram o anseio dos fãs que queriam saber mais sobre pontos cegos da saga. Ao contrário do que podíamos imaginar, este livro não é somente um livro comercial, e sim um complemento necessário a história.

Não gostei de descobrir como o Sam morreu. Algumas coisas são falhas na narrativa e me geraram outras dúvidas sobre o comportamento de Celaena no futuro e mesmo no momento. Fora isso ficou difícil comentar alguma coisa que não tenha gostado. Simplesmente adorei o livro!


Trechinhos:

"Um guerreiro não podia fazer diferença contra duzentos, mas ela era Celaena Sardothien. Isso precisava fazer alguma diferença.”

“— Age assim porque realmente faz parte de sua natureza, ou apenas porque tem medo de lidar com as pessoas? — Sou a maior assassina do mundo. — Ela ergueu o queixo. — Não tenho medo de ninguém. — Mesmo? — perguntou Rolfe. — Porque sou o maior pirata do mundo e tenho medo de muita gente. Foi assim que consegui ficar vivo por tanto tempo.”

“— Vou lhe dar um conselho — falou a jovem, com amargura — , de uma trabalhadora para outra: a vida não é fácil, não importa onde esteja. Fará escolhas que achará serem certas, depois sofrerá por causa delas.”

“O mentor cuidara dela e a educara, mas acabou com a inocência de Celaena na primeira vez que a obrigou a tirar uma vida. Dera tudo à jovem, mas também lhe tirara tudo.”

"Era um olhar tão típico de Sam: o lampejo de malícia, o toque de exasperação, a bondade que sempre, sempre faria dele uma pessoa melhor que Celaena."

 “Arobynn encorajava o comportamento cruel. Mesmo quando eram crianças, o mestre costumava colocar Celaena e Sam um contra o outro, usar as vitórias e as derrotas dos discípulos contra eles. Arobynn fizera com que Celaena visse todos, exceto ele e Ben, como inimigos em potencial.
Como aliados, sim, mas também como competidores que deviam ser observados de perto. Fraquezas jamais deveriam ser mostradas, a qualquer custo. Brutalidades eram recompensadas. "

Conclusão:

“A série Trono de Vidro ainda é para mim uma das melhores que ainda está ai sendo publicada. A Lamina da Assassina tem tudo que faz essa série ser um sucesso de público e critica. Se gosta da série mas está em dúvida sobre a prequel, não perca mais tempo, este livro vale cada centavo.”

Sarah J. Maas
Autor: Sarah J. Maas
Livro: A Lamina Assassina (The Assassin’s Blade)
Editora: Galera Record (Bloomsbury)
Ano: 2014 (2015)
Ano: 406

Ler é Mais

Lorem ipsun