ADs

Resenha (88) - O Último Policial


Sinopse:
Qual o sentido de se investigar um crime quando o planeta tem apenas seis meses de vida? O detetive Hank Palace enfrenta essa questão desde que o asteroide 2011GV1 foi avistado em rota de colisão com a Terra. Em face da tragédia iminente, a maioria das pessoas abandona seus trabalhos, casas e famílias e as instituições começam a ruir, mas Palace insiste em investigar um suposto suicídio. Ganhador dos prêmios Edgar, dedicado à literatura policial e de mistério, e Philip K. Dick, voltado para livros de ficção científica, O último policial é a combinação perfeita do clássico romance noir com o melhor da ficção científica atual. Primeiro de uma trilogia, o livro pinta um retrato fascinante dos Estados Unidos pré-apocalipse através de um enredo original e envolvente e de um protagonista carismático.

Credit by: Joseph Laney
http://joelaneyillustration.blogspot.com.br/
Esse foi um livro que escolhi ler de forma despretensiosa e quase sem nenhum expectativa. Depois da frustração que tive com Zoo (James Patterson), não esperava muito de uma distopia de livro único, mesmo ela sendo baseada em ficção científica e cenário pré-apocaliptico, gêneros que eu adoro. Isso porque a ideia de um policial que, mesmo após o anuncio do fim do mundo, continua usando seus poucos dias restantes para tentar desvendar um suposto caso de homicídio parecia ser muito mais um livro de ‘estudo de caso’ da psicologia do que um livro de sy-fi.

Não estava enganado quanto ao drama psicológico. Ele está presente em todas as passagens do livro e em todas as ações dos personagens e no fim, isso foi o que mais me chamou a atenção para a trama e me fez começar a gostar da obra. A tensão é latente, porém mesmo com o mundo a um passo de se acabar, o autor optou por fugir do clichê onde todos enlouquecem e partiu para um cenário mais humano e coerente. A violência está em alta, assim como os excessos, mas grande parte das pessoas continuam suas vidas se esforçando para mante
r a normalidade enquanto outras preferem pôr um fim em sua existência antes que o caos se instaure de vez na terra.

Esse anticlímax é interessante. O personagem principal se torna um ponto de interesse na trama e ficamos aficionados por entender seus motivos para levar o trabalho tão a sério, mesmo quando tudo indica que ele está errado e nem mesmo fora um caso de assassinato, sem contar é claro o fato de que tudo será em vão dali a quatro meses. O final deixa muitas perguntas e poderia ser péssimo se não fosse o fato de que estamos falando de uma trilogia, onde O Último Policial é só o primeiro livro, então a história promete ficar ainda muito melhor.

Cidade de Concord.
A história se passa em Concord, na Califórnia, ou Cidade do Enforcado como acabou ficando conhecida. Vamos acompanhar a história através do detetive Hank Palace, uma das poucas pessoas do local e possivelmente do mundo, que não está enlouquecendo com o fato de que um asteroide gigante vem de encontra a terra e o mundo pode acabar quando ele se chocar com nosso planeta.

Fiel a profissão que escolheu e a qual executa com dedicação e amor, Palace não titubeia quando encontra o corpo de um enforcado no banheiro de um McDonalds e seus instintos alertam dizendo que se passa de um assassinato posteriormente forjado como homicídio. Indo contra todos os seus colegas,  conhecidos e inclusive seus superiores, Palace resolve fazer o que mais gosta e o que nasceu para fazer investigar.

Credit by: Joseph Laney
http://joelaneyillustration.blogspot.com.br/
No decorrer da investigação, enquanto o detetive faz de tudo para provar sua teoria e tem de lidar com o que parecem ser atentados contra sua vida, vemos o mundo se deteriorando pouco a pouco em direção ao caos, enquanto as pessoas cada vez mais abandonam a cautela e o auto-controle e começam a dedicar o tempo que resta em fazer o que lhes gosta. Praticamente sozinho, Palace terá de resolver um mistério que se torna cada vez mais impossível a medida que o mundo se aproxima do seu fim, ou ao menos o fim do jeito que conhecemos hoje.


Gostei da trama e da forma como o autor conduz a história do detetive em paralelo com os acontecimentos do mundo. Ele não apela para flashs fáceis, simplesmente insere os últimos acontecimentos nos diálogos e na história, deixando tudo mais agradável de ler. O detetive também é um personagem digno de nota, assim como a médica legista que aparece no meio da história.

Essa mistura de sy-fi com drama ainda me é estranha, mesmo sendo uma tendência que observamos em muitos autores por ai. Sinto falta de detalhes sobre a parte de ficção-cientifica e quero saber mais sobre as tecnologias empregadas para resolver o problema. O Último Policial foca mais no drama do que na ficção e isso acaba me frustrando um pouco apesar de ter gostado do livro.


Trechinhos:

“Tomo notas, assentindo como estímulo e empatia para que Gompers continue falando, e penso no quanto começo a gostar desse sujeito, esse Peter Anthony Zell. Gosto de um cara que gosta de fazer o seu trabalho.”

“Meu Deus, Henry – diz ela, sua indiferença estudada de repente no fim, e ela pula do carro e bate o indicador no meu peito. – Eu larguei o emprego assim que soubemos que esta merda estava mesmo acontecendo. Quer dizer, porque perder tempo com trabalho?
- Você trabalhava três dias por semana em um mercado de produtor rural. Eu resolvo homicídios.”

“Parece que estou no Além da Imaginação. Discuto com minha irmã mais nova, como costumávamos fazer por causa do último picolé, ou por ela ter afanado o carro de meu avô, só que desta vez estamos brigando por uma conspiração geopolítica absurda...”

Ben H. Winters
Conclusão:
O Último Policial é um livro morno para ser o primeiro livro de uma trilogia. Foge do que estamos acostumados na tendência YA de colocar toda a história em fatos frenéticos que se sobrepõem uns aos outros sem que você consiga respirar. O drama segue cadenciado, gostoso de acompanhar, sem apelar para lugares comuns ou clichês demais, enfim, um ótimo livro para passar as tardes e ainda com a promessa de termos uma história memorável nos próximos dois livros.

Autor: Ben H. Winters
Livro: O Último Policial (The Last Policeman)
Editora: Rocco (Quirk Books)
Ano: 2015 (2012)
Paginas: 288

Ler é Mais

Lorem ipsun