ADs

Lançamentos de Julho da Tordesilhas

Nós, Os Afogados - Carsten Jensen
Originalmente publicado na Dinamarca, em 2006, Nós, os afogados é um épico no tamanho e no alcance. Construído com excepcional profundidade, o livro narra cem anos da vida dos moradores de Marstal, cidadezinha localizada na ilha de Ærø, enquanto conta as aventuras de Laurids Madsen, de seu filho Albert e do órfão Knud Erik.
A história começa em 1848, quando os marinheiros da pequena cidade dinamarquesa de Marstal embarcam em uma guerra contra os alemães pelo controle do ducado Schleswig-Holstein. A euforia inicial dos combatentes dá lugar à angústia e ao medo quando veem de perto a morte de seus companheiros. Nem todos retornam – e aqueles que o fazem nunca mais serão os mesmos. Entre eles, está o excêntrico Laurids Madsen, que, depois de sobreviver à batalha, desaparece no mar.
Depois de crescido, seu filho Albert viaja o mundo em busca do pai, uma empreitada que o deixará nas mãos de companhias nefastas e lhe garantirá alegrias e decepções profundas. Carregando uma misteriosa cabeça encolhida e atormentado por premonições, Albert volta para Marstal, uma cidade cada vez mais dominada por mulheres, incluindo a viúva Klara Friis, que planeja acabar com a tirania do mar sobre os homens do lugar. Seu filho, Knud Erik, estabelece com Albert uma relação de amizade e confiança. Contrariando o desejo da mãe, Knud Erik se torna marinheiro – e é ele a figura central da segunda metade do livro, o herói que nos conduzirá pelos mares do norte em outra guerra contra os alemães.
Das rochas do Canadá às plantações exuberantes de Samoa, das tabernas barra-pesadas da Tasmânia às costas congeladas da Rússia – em Nós, os afogados, o leitor viaja pela vastidão do mundo e, através de seus personagens, experimenta paixões, desilusões, a graça e dor da sobrevivência.
Como o coro das tragédias gregas clássicas, o livro é narrado em sua maior parte por uma personagem coletiva, um “nós” que representa a memória dos homens da cidade de Marstal e relata cem anos de mudança e progresso.
Trata-se de um narrador nem sempre confiável, como afirma o autor: “Ele está envolvido na história, toma partido. Ele parece saber tudo, mas como pode saber o que vai no íntimo de cada pessoa?” E, como não sabe, ele inventa. O romance termina nos últimos momentos da Segunda Guerra, com um capitão lutando para levar sua tripulação para casa. Para o autor, Carsten Jensen, o mar é metáfora. Para os habitantes de Marstal, a própria vida: passagens incertas e poucos portos seguros onde ancorar.

Ler é Mais

Lorem ipsun