ADs

Editora Aleph Promete Muito Star Wars

Portal Publishnews divulgou planos da empresa para 2015/2016 e entre eles está a previsão de 20 livros do universo expandido de Star Wars.

Como fã de ficção cientifica é claro que também gosto de Star Wars. Não sou fanático a ponto de decorar falas e assistir a todos os filmes centenas de vezes (porem já os vi por mais de uma dezena..rs) porém adoro o universo criado por Spielberg e assim como uma enorme legião de fças brasileiros, recebo a notícia abaixo com muita expectativa. May the force be with you!!!

Por Leonardo Neto no Publishnews


Na manhã de uma quarta-feira (25/03), cerca de 200 livreiros e blogueiros se reuniram em uma das salas de cinema do Reserva Cultural, em São Paulo, para saber as apostas da Aleph para 2015. A meta da editora que comemora seus 30 anos é ousada. Nos próximos dois anos, a editora prevê o lançamento de 20 livros da série Star Wars, 11 deles já em 2015. Com isso, a meta é vender pelo menos um milhão de exemplares nos próximos dois anos. “Isso é mais livros do que a Aleph vendeu na história”, brinca Daniel Lameira, publisher da casa. “Pode parecer uma meta ousada, mas se você pensa que são 20 títulos, é uma meta viável”, completou. A Aleph chega aos 30 anos numa fase muito boa. O faturamento de 2012 para 13 cresceu 50%, puxado para cima pelo lançamento da edição comemorativa dos 50 anos do Laranja mecânica, de Anthony Burgess. De 2013 para 14, as vendas apuradas pela editora cresceram em impressionantes 100%. O catálogo da editora teve fundamental importância nesse aumento. De acordo com as informações apresentadas na manhã de ontem, 73% das vendas foram de livros do fundo de catálogo.

No encontro, Lameira e Adriano Fromer, diretor editorial da Aleph, falaram sobre a importância que os livreiros têm na tentativa de derrubar os preconceitos que a ficção científica ainda sofre. “Queremos convencer da importância de se ler ficção científica tanto para o lazer quanto para a formação de leitores”, disse Fromer. “Há um preconceito muito forte porque as pessoas não entendem a ficção científica, que ficou estigmatizada como uma coisa boba”, reclamou.

Ler é Mais

Lorem ipsun