ADs

Resenha (59) - Legend

Legend - Legend - Livro 01 


Sinopse:
A Verdade Se Tornará Lenda - Ambientado na cidade de Los Angeles em 2130 D.C., na atual República da América, conta a história de um rapaz – o criminoso mais procurado do país – e de uma jovem – a pupila mais promissora da República –, cujos caminhos se cruzam quando o irmão desta é assassinado e a ela cabe a tarefa de capturar o responsável pelo crime. No entanto, a verdade que os dois desvendarão se tornará uma lenda. O que outrora foi o oeste dos Estados Unidos é agora o lar da República, uma nação eternamente em guerra com seus vizinhos. Nascida em uma família de elite em um dos mais ricos setores da República, June é uma garota prodígio de 15 anos que está sendo preparada para o sucesso nos mais altos círculos militares da República. Nascido nas favelas, Day, de 15 anos, é o criminoso mais procurado do país; porém, suas motivações parecem não ser tão mal-intencionadas assim. De mundos diferentes, June e Day não têm motivos para se cruzarem – até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Preso num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos.

Day e June
Legend é o primeiro volume de uma trilogia distopia de autoria da jovem autora americana Marie Lu e é considerado uma das melhores em seu gênero. Seguindo a receita de todos os livros para o público mais jovem, Legend tem como protagonistas um casal de adolescentes, mas ao contrário da maioria dos livros não há aquele irritante triangulo amoroso cheio de dúvidas e voltas que deixa o leitor com dúvidas quanto a sanidade dos personagens.

O livro alternar entre as narrativas dos dois protagonistas, Day e June. O primeiro cresceu nas ruas após conseguir fugir do que seria um campo de extermínio da republica. June é o oposto social de Day. Cresceu em berço de ouro e foi abençoada pela inteligência acima da média, o que a coloca desde muito jovem em posição de destaque na hierarquia do governo.

Sem dar muitas voltas, a história é emoção do começo ao fim. Quase não há momentos parados onde os personagens ficam dialogando ou onde a narrativa fique parada, tudo acontece em um ritmo rápido que o deixa quase sem forças para largar a história. Legend se mostrou uma história viciante.


A história começa nos mostrando um pouco de Day e Tess, parceira, pupila e melhor amiga de Day desde que este a salvou, meio que sem querer é verdade, de se tornar somente mais uma estatística das ruas violentas e infestadas pela praga, do subúrbio da república. Logo percebemos que Day, apesar da pouca idade é muito mais maduro do que deveria ser. Também fica claro que sua missão de vida é proteger sua família do sistema opressor em que vivem. Day é um criminoso, um ladrão, mas não um ladrão comum, ele é o melhor que existe em todo o país, uma lenda viva que acumula sucessos um atrás do outro e é considerado o inimigo número um da república.

Day e Tess observam a cidade
June, assim como Day, é muito mais madura do que a idade sugere, mas seu amadurecimento vem de sua inteligência incomum e não das dificuldades da vida. Eleita a melhor aluna da república, única a tirar nota máxima nos testes de aptidão, ela é vista por todo o governo como uma promessa e um exemplo do ideal jovem que se espera de todos os cidadãos.

Seus caminhos se cruzam quando Day descobre que seu irmão contraiu a praga. Sabendo que sua família jamais poderia arcar com os altos custos de tratamento e tampouco terão o direito de recebê-lo gratuitamente como as classes mais abastadas, ele resolve invadir um hospital em busca da cura. Movido pelo desespero ele irá cometer o seu primeiro erro e quase será preso, porém para escapar ele atingi um agente da policia com uma faca.

June recebe a noticia que seu irmão foi morto por uma facada de ninguém mais do que o famoso Day em pessoa. A partir daí começa uma caçada que levará esses dois jovens, talvez os mais brilhantes de todo o país, a cruzarem seus caminhos.

Amor, ódio, amizade, traição, honra e lealdade. Eles serão confrontados em todos os seus princípios e sentimentos, e irão descobrir que nem toda a verdade é exata, ela depende do que você pode ver e do que quer acreditar.

O que mais gostei do livro foi que a autora focou a história na ação. Temos uma visão boa de como funciona as forças de segurança da República e de como a população vive dentro de seus domínios. Não houve perda de tempo e linhas para descrever romances banais e sem sentido, não que não tenha, mas foi escrito de forma natural, sem dramatização e isso enriqueceu a história. Gostei também dos eventos do final do livro, mostrou que a autora não vai poupar personagens para manter a história convicente.

Incomodou-me um pouco a falta de informações adicionais para entender o cenário político da república e como chegamos a essa situação. É uma sensação comum em distopias, porém m algum momento essa dúvida acaba sendo sanada nos outros volumes. Mas como gosto de me situar na história sinto falta de entender porque as coisas são do jeito que são. Também não gostei como a Tess foi deixada de lado em determinado momento. Espero que ela veha mais forte na continuação.


Trechinhos:

“Comandante Jameson para em frente do lençol branco, então se inclina e o atira para o lado. Olho fixamente para o cadáver de um soldado vestido de uniforme militar preto, com uma faca ainda sobressaindo no peito. Sangue escuro lhe mancha a camisa, o ombro, as mãos, as ranhuras do cabo da faca. Os olhos estão fechados. Ajoelho à frente dele e retiro do seu rosto fios do cabelo preto. É estranho. Não absorvo nenhum detalhe da cena. Continuo sem sentir nada, estou profundamente entorpecida.”

“Ela é bonita, de uma forma que me distrai a atenção, como fez no ringue de Skiz. Não, bonita não é a palavra certa. Linda a descreve melhor. E não só isso: ela me lembra alguém. Talvez seja a expressão dos olhos, algo ao mesmo tempo friamente lógico e ferozmente desafiador. Sinto meu rosto ficando corado, e de repente desvio o olhar, feliz porque a escuridão está chegando. Neste momento tudo em que penso é no que eu daria pela oportunidade de beijá-la ou passar os dedos por seu cabelo negro.”

“Dinheiro é a coisa mais importante do mundo, guria. Dinheiro pode comprar felicidade, não me importo com o que os outros dizem. Dinheiro pode comprar alívio, status, amigos, segurança... todo tipo de coisas.”

“Determine o Sistema Operacional e consiga privilégios de root5. Veja se consegue alcançar o sistema remoto. Conheça seus alvo e proteja a segurança da máquina. Encontro uma porta aberta no sistema depois de uma ora escaneando. O site apita um som de bip uma vez, antes de mostrar uma única barra de busca. Silenciosamente, digito o nome Day no meu computador.”

“Tiro a cabeça do ombro dele e o olho: - Nunca lhe perguntei sobre esse nome de guerra. Por que Day? – Porque cada dia significa novas 24 horas. Cada dia quer dizer que tudo é possível de novo.”

Marie Lu
Conclusão:
Uma ótima distopia. Sou fã do gênero então minha opinião pode ser um pouco influenciada por isso, mas acredito que Legend tem tudo para ser uma trilogia de tirar o fôlego, estou ansioso para ler o segundo volume. Para aqueles que como eu, adoram ler sobre futuros próximos cheios de governos repressivos e grupos rebeldes eu recomendo muito esse livro.

Autora: Marie Lu
Livro: Legend
Editora: Rocco (Penguin)
Ano: 2014 (2011)
Páginas: 256


Ler é Mais

Lorem ipsun