ADs

Resenha (31) - Elantris

Elantris

Sinopse:
Elantris era conhecida como a cidade dos deuses. Nela, uma benção chamada Shaod transformava as pessoas em semideuses. Porém, há dez anos, as coisas começaram a mudar e a magia transformou Elantris em uma cidade amaldiçoada, onde as pessoas tocadas pela Shaod se transfiguravam em seres sem vida e sem sentidos próprios. A maldição os tornava mortos-vivos e a cidade tornou-se um cemitério de zumbis.
Uma mistura de diversas faces da sociedade do mundo todo e de várias épocas marca a concepção deste livro.  Misturando, política, religião, um ambiente medieval, magia, misticismo, simbologia e sociedade, o autor criou um mundo onde uma vez que o leitor entra, tem uma grande dificuldade em sair.
*********************************************************************************************** 
Elantris cativa, segura o leitor. É um daqueles livros que não conseguimos parar de ler, mesmo quando os pontos de vista dos personagens são trocados continuamos fiéis a leitura pois cada personagem é melhor e mais forte que o outro. Até mesmo os vilões da trama são muito bem concebidos e merecem todos os elogios pela criatividade do autor em desenvolver as personalidades de cada um dos personagens do livro.

Como todo bom livro (segundo a maioria), há um romance por trás, mas este é leve, sem muito sentimentalismo e totalmente de acordo aos costumes colocados no livro, que remetem muito aos casamentos medievais feitos a base de arranjos políticos.

A política por sinal é um caso a parte. Sem necessitar alongar demais a história, Brandom consegue criar uma sólida estrutura política que, apesar de dar margem para muito mais desenvolvimento, não compromete com o que é relatado. A história convence. O diferencial fica ainda por conta da magia envolvida no livro que é bem diferente do que estamos acostumados por ai. Em Elantris não tem mais do mesmo, a magia está presente mas não na mão de magos de túnicas ou no chamado de varinhas e poções mágicas. A força da magia do universo de Elantris é invocada pelos símbolos.

A história começa com Raoden, príncipe do reino de Arelon, que ao acordar uma bela manha se descobre amaldiçoado. As vésperas de seu casamento com Sarene, ele é jogado na cidade perdida de Elantris onde terá que lutar para sobreviver com sua maldição junto daqueles que estão na mesma condição que ele, mas que já desistiram do direito de poder ter esperança.

Enquanto luta para achar uma solução, o reino começa a ser abalado por Hrathen, sarcedote que tem como missão corromper as sociedade de Arelon e provacar a queda do governo em benefício da império de Fjorden.

Enquanto os reinos de Teod e Arelon, principalmente na figura de Sarene, travam uma luta desigual e silenciosa contra Fjorden, Raoden luta para não perder a sanidade enquanto sonha em salvar não somente seus novos amigos elantrinos, como todo o reino do qual é herdeiro.
*********************************************************************************************** 

Pontos positivos:
  • Original em sua história e concepção.
  • Não prolonga em descrições exageradas.
  • Leitura flui com facilidade.
  • Personagens e enredo fortes.
  • Bom romance.
  • Deixa com gosto de quero mais.

*********************************************************************************************** 

Pontos negativos:
  • Deixa algumas coisas sem respostas.
  • Livro parece ter sido escrito pensando em uma continuação, apesar de ter final.
  • Faltou um pouco de ação, ausência de grandes batalhas é estranha em guerras entre reinos.

*********************************************************************************************** 

Trechinhos:

“- Obrigada, Ashe – Sarene disse, com um suave suspiro. – Obrigada por suportar as lamentações de uma menina boba. – Podemos ser fortes diante de reis e sacerdotes, minha senhora – Ashe respondeu -, mas viver é ter preocupações e incertezas.”
*********************************************************************************************** 
“– Será bom para elas – Sarene comentou. – A maioria dessas mulheres é tão mimada que nunca sentiu nada pior do que a pontada de uma agulha de bordar.”
*********************************************************************************************** 
“Tão faminto, Hrathen pensou com curiosidade. E o que foi que Dilaf disse? O coração dele não bate? Talvez a doença tenha alguma relação com o metabolismo – faz o coração bater tão rápido que fica difícil de detectar e aumenta o apetite de algum modo.”
*********************************************************************************************** 
“Suspirando, Raoden abriu as portas de seus aposentos. Ainda achava estranho que os elantrinos devessem dormir. Seus corações não batiam mais, não precisavam respirar. Por que precisavam dormir? Os outros, no entanto, não conseguiram lhe responder. Os únicos verdadeiros especialistas haviam morrido dez anos atrás.”
*********************************************************************************************** 

Conclusão:
Um excelente livro de fantasia que deixou esse que vos escreve louco por uma continuação. Há informações que o autor tem planos para pelo menos mais dois livros no universo de Elantris, assim espero, pois já sinto uma enorme falta de Raoden, Sarene e dos Elantrinos. Recomendo a todos que gostam do gênero.


Autor: Brandon Sanderson
Livro: Elantris (Elantris).
Editora: Leya (Tor Books).

Ler é Mais

Lorem ipsun