ADs

Resenha (30) - O Silêncio das Montanhas

O Silencio das Montanhas


Sinopse:
Khaled Hosseini, best-seller com mais 38 milhões de cópias vendidas, escreveu um novo romance sobre como nos amamos, como cuidamos um do outro, e como as escolhas que fazemos ressoam através de gerações.
Neste relato que envolve não apenas pais e filhos, mas também irmãos e irmãs, primos e primas, Hosseini explora as diversas formas como as famílias educam filhos, magoam, traem, se respeitam e se sacrificam um pelos outros; e com que frequência somos surpreendidos pelas ações dos que estão mais próximos de nós no momento que mais precisamos.
Na sequência de seus personagens e as ramificações de suas vidas, escolhas e amores ao redor do mundo - de Cabul a Paris, de São Francisco à ilha grega de Tinos - a história se expande gradualmente, tornando-se mais emocionalmente complexa e poderosa a cada página.
***********************************************************************************************
Khaled Hosseini tem um dom raro. O dom de emocionar o leitor do começo ao fim de seus livros, o dom de expressar sentimentos através das palavras e de trazer visões à mente de quem acompanha linha a linha o desenrolar do cotidiano de todo um povo, representado ali por alguns personagens que assim como seus conterrâneos, simplesmente lutam para sobreviver a mais um dia enquanto sonham com dias melhores que dificilmente virão tão cedo.

E não falo de uma emoção simples, afinal livros mexem com nossos sentimentos. As emoções que são despertadas ao lermos um livro de Hosseini vão muito além de simples amor juvenil facilmente encontrado nos romances de hoje em dia ou da revolta ao ler os problemas políticos do país pelos olhos do jornalista. A primeira coisa que você sente é o choque. Choque pela crueza da narrativa e dos fatos que você sabe que são verdade, só não costuma refletir sobre eles. A segunda coisa que sente é impotência por saber de tudo isso e de repente ter consciência de que todo aquele sofrimento é inevitável e você não passa de um grãozinho sem força nenhuma para mudar aquilo e depois vem a tristeza. Tristeza porque a escrita é tão prática e tocante que só nos resta sofrer por aqueles personagens que sabemos que são reais e torcer para que pelo menos nessa história, o final seja feliz.

Hosseini escreve retratos de vidas. Transforma sofrimento e dificuldade em palavras e de forma simples e pura nos das lições de vida que nos fazem refletir em como podemos ser melhores para que isso deixe de acontecer. É impossível não se sentir tocado por seus relatos, é o mesmo tipo de emoção que aflige as pessoas durante um casamento. Mesmo que não de a mínima para os noivos ainda assim vai se emocionar com a situação. E esse dom de emocionar transforma os livros do autor em pequenas joias perdidas em um mar literário de mais do mesmo.

O Silêncio das Montanhas trás a história dos irmãos Pari e Abdullah, que moram em uma aldeia distante de Cabul, são órfãos de mãe e têm uma forte ligação desde pequenos. Assim como a fábula que abre o livro, as crianças são separadas, marcando o destino de vários personagens.
Paralelamente à trama principal, Hosseini narra a história de diversas pessoas que, de alguma forma, se relacionam com os irmãos e sua família, sobre como cuidam uns dos outros e a forma como as escolhas que fazem ressoam através de gerações. Assim como em O caçador de pipas, o autor explora as maneiras como os membros sacrificam-se uns pelos outros, e muitas vezes são surpreendidos pelas ações de pessoas próximas nos momentos mais importantes.
Seguindo os personagens, mediante suas escolhas e amores pelo mundo – de Cabul a Paris, de São Francisco à Grécia –, a história se expande, tornando-se emocionante, complexa e poderosa. E como não poderia deixar de ser o final é surpreendente, algo que começa a se tornar uma marca registrada do autor.
***********************************************************************************************

Pontos positivos:
  • Conta muito da cultura Afegã.
  • Impossível largar até terminar de ler.
  • Tocante e emocionante.
  • O realismo dos relatos é um diferencial.
  • A história é bonita e trás várias lições de vida.


Pontos negativos:

  • Não leia se não quiser uma história triste.
  • A mudança de protagonistas pode confundir um pouco.

***********************************************************************************************
Trechinhos:

"Somente em Shuja Abdullah via um reflexo de sua dor. O cachorro aparecia na porta da casa todos os dias. Parwana atirava pedras. O pai ameaçava com um bastão. Mas ele continuava voltando."
*********************************************************************************************** 
"Dizem que a gente deve encontrar um propósito na vida e viver este propósito. Mas, às vezes, só depois de termos vivido reconhecemos que a vida teve um propósito, e talvez um que nunca se teve em mente."
*********************************************************************************************** 
"A beleza é uma dádiva imensa e imerecida, distribuída aleatória e estupidamente."
***********************************************************************************************
"Esse pequeno vislumbre frágil e bruxuleante de como poderia ter sido entre nós. Só causaria remorso, digo a mim mesmo, e o que há de bom no remorso? Não traz nada de volta. O que perdemos é irrecuperável."
*********************************************************************************************** 
"Ela era como a poeira que se agarrou à camisa dele. Ela estava como os silêncios que se tornaram tão freqüentes na casa, o silêncio que brotou entre suas palavras, às vezes frio e vazio, às vezes grávida com as coisas que foram ditas, como uma nuvem que se encheu com a chuva que não caiu."
*********************************************************************************************** 
"O tempo é como um encantamento. A gente nunca tem o quanto imagina".
*********************************************************************************************** 
"- [...] Ninguém podia ver você, só eu. Eu contava tudo a você. Todos os meus segredos. Para mim, você era real, estava sempre bem perto. Eu me sentia menos só por sua causa. Como se fôssemos contrapartes. [...] Eu costumava nos imaginar como duas folhas, sopradas pelo vento a quilômetros de distância, mas ainda ligadas pelas raízes profundas e emaranhadas da árvore de onde havíamos caído.
- Para mim, aconteceu o contrário. Você diz que sentia uma presença, mas eu sentia somente uma ausência. Uma dor vaga, sem uma fonte definida. Era como um paciente que não consegue explicar ao médico onde dói. Mas dói."
***********************************************************************************************

Conclusão:
É um livro sobre vidas partidas, inocências perdidas e toda uma geração de uma nação que parece ter sido esquecida por Deus. Um livro emocionante, tocante e com uma história feita para recordar por muito tempo. Mais que recomendo não somente esse, mas os outros títulos do autor (Caçado de Pipas e A Cidade do Sol) também.


Autor: Khaled Hosseini
Livro: O silêncio das Montanhas (And the Mountains Echoed).
Editora: Globo (Riverhead Hardcover).

Ler é Mais

Lorem ipsun