ADs

Resenha (29) - Inferno

Inferno
*********************************************************************************
Sinopse:
Neste novo e fascinante thriller Dan Brown retoma a mistura magistral de história, arte, códigos e símbolos que o consagrou em O código Da Vinci, Anjos e demônios e O símbolo perdido e faz de Inferno sua aposta mais alta até o momento.
No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado em uma das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri.
Numa corrida contra o tempo, Langdon luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o arrasta para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo o sombrio poema de Dante, Langdon mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.
*********************************************************************************

E ele conseguiu de novo! Mais uma vez Dan Brown cria uma história envolvente, de tirar o fôlego, com muito, mas muito conteúdo e de uma forma que parece mais uma aula de história do que um livro de ficção.
No novo livro do escritor temos mais uma vez Robert Langdon como protagonista. Seguindo a mesma temática dos livros que o tornaram uma celebridade, Brown criou uma nova história recheada de suspense e fatos históricos. Desta vez a história é baseada nas obras de Dante, mais especificamente em A Divina Comédia. Ler um livro do Dan Brown é uma experiência revigorante. Apesar da mesmice, pois suas história seguem a mesma fórmula, a escrita é tão boa e o livro tão cheio de detalhes que perdoamos qualquer falta de criatividade do autor em bolar algo diferente ou pelo menos um escopo diferente. Em Inferno, os leitores vão viajar por Florença e de quebra vão ganhar um curso intensivo sobre Dante Alighieri e suas obras.

Tudo começa com Langdon acordando em um quarto de hospital, sem saber como chegou até lá e com um sério problema de perda de memória curta, ou seja, não se lembra de nada que aconteceu nos últimos dias.
Atormentado por pesadelos e em posse de um artefato estranho, langdon é obrigado a fugir do hospital quando uma agente invade a enfermaria para tentar matá-lo. Em companhia da médica que ajuda a salvá-lo, ele vai agora tentar desvendar o que aconteceu com ele tendo como única pista um estranho vídeo armazenado dentro do artefato que ele carregava.

Enquanto busca respostas, langdon vai perceber que está cercado de intrigas e que na verdade nada parece ser o que é, seus inimigos podem ser seus amigos e seus amigos podem estar tentando acabar com o mundo. Mundo que corre grande perigo e que só pode ser salvo se Robert for esperto e rápido o suficiente para desvendar os enigmas por trás desta catástrofe.
********************************************************************************* 
Pontos positivos:
  • Amplia conhecimento sobre arte e história.
  • Autor realiza muita pesquisa o que torna o livro interessante.
  • Bom enredo mistura risco real com fantasia.
  • Envolvente. Prende o leitor.


Pontos negativos:
  • Para quem conhece o autor, a história é meio batida.
  • Pode não agradar quem não gosta de arte.
  • Pode não agradar pessoas sensíveis a religião.

********************************************************************************* 
Trechinhos:

“As decisões do passado são os arquitetos do presente.”
********************************************************************************* 
“- Sim, eu conheço – disse ela, interrompendo-o para citar de memória o famoso trecho: - Quando todas as províncias do mundo estiverem abarrotadas a ponto de seus habitantes não conseguirem subsistir onde estão nem migrar para outra parte...o mundo irá purificar a si mesmo. – Ela ergueu os olhos para o homem. – Todos nós da OMS conhecemos muito bem essa passagem.”
********************************************************************************* 
“Loucura é um avestruz enfiar a cabeça na areia enquanto é cercado por uma matilha de hienas.”
********************************************************************************* 
“Como é que a senhora, uma cientista tão instruída, não consegue enxergar a verdade? Destruição da camada de ozônio, falta d’água e poluição não são doenças...são os sintomas. A doença é a superpolução. Ou encaramos esse problema, ou estamos só pondo um Band-Aid em cima de um tumor maligno e agressivo.”
********************************************************************************* 
“É claro que não consegue. É fisicamente impossível para o cérebro humano não pensa em nada. A alma anseia por emoção e está sempre em busca de combustível, bom ou ruim, para essa emoção. O seu problema é que você está abastecendo a sua mente com o combustível errado.”
********************************************************************************* 
“Só existe um contaminante que se propaga mais depressa que um vírus, pensou. O medo.”
********************************************************************************* 
Conclusão:
Não se pode chamar de obra prima o novo livro de Dan Brown. Apesar de todo o sigilo e cuidado na produção do livro, não acho que esse seja o melhor que o autor já escreveu. Por outro lado, ele trata de um assunto que não é mera especulação nem teoria de conspiração com sociedades secretas, ele fala de um problema mundial, real e de conhecimento geral, ou que pelo menos deveria ser de conhecimento geral. Essa nova ótica abordada pelo autor torna inferno uma grande obra, daquelas que será lida no futuro como referencia ao pensamento dessa geração sobre os problemas que enfrentamos como “humanidade”. É desnecessário dizer que recomendo muito o livro para qualquer amante da boa ficção, apesar de neste caso não ser exatamente um livro fictício.
********************************************************************************* 
Autor: Dan Brown
Livro: Inferno (Inferno).
Editora: Arqueiro (Doubleday).

Ano: 2013 (2013).

Ler é Mais

Lorem ipsun