ADs

Resenha (2) - A Doçura do Mundo


Sinopse:
Após perder seu marido, Tehmina Sethna está emocionalmente fragilizada. Por isso, ela decide aceitar o convite de seu filho, Sorab, para passar um tempo com ele em Ohio, nos Estados Unidos. Lá, Sorab, um homem de 38 anos que fugira da Índia para mudar de vida, se casou com Susan. Os dois tiveram um filho, Cavas, e vivem uma vida perfeita ao estilo americano. O que parecia ser um recomeço, porém, deixa Tehmina numa situação delicada. Sem conseguir se adaptar à cultura ocidental, Tehmina sofre com a rejeição de sua nora e se sente sozinha no mundo, mesmo quando Sorab a convida para morar com ele. Ela tem que escolher entre a nova vida e o retorno à cidade de Bombaim, que cada vez mais lhe desperta saudades. É aí que Tehmina, ao ajudar dois meninos que moram na casa ao lado e são maltratados e negligenciados pela mãe, rompe, sem querer, as barreiras entre as duas culturas.
Alternando entre as visões de Tehmina e de Sorab, A Doçura do Mundo é um romance rico, que celebra a família e a vida em comunidade. Neste novo livro, Thrity Umrigar prova mais uma vez por que é considerada uma das escritoras mais sensíveis da atualidade.

Favela de Dharavi, Bombaim, uma das maiores do mundo.
Terceiro livro da escritora Indiana Thrity Umrigar e best-seller mundial, este livro narra a história de uma família de parses indianos que moram nos Estados Unidos.

Com uma percepção fantástica dos pormenores da vida, a autora descreve de forma tocante o modo como todos nós vivemos nossas vidas e acima de tudo, como transformamos nosso jeito de ser diante das mudanças impostas a nós pelo mundo em que vivemos.

O livro é de uma sensibilidade diferenciada, com passagens que faz o leitor mais perspicaz se emocionar e identificar com os dilemas e problemas enfrentados pelos personagens. De forma simples, sem perder a magia de uma boa história, ou seja, sem parecer um livro de auto-ajuda ou que pretende passar uma lição de vida a quem lê, Thrity nos joga na cara os problemas da sociedade moderna e nos obriga a refletir sobre para onde estamos caminhando, que tipo de pessoas estamos no tornando, estamos certos?

E todas essas questões tocantes nos são expostas graças a simplicidade com que a autora escreve. A sensação que eu tive ao ler o livro é de que houvesse uma avó muito sábia sobre o mundo, me contando uma história sobre uma família aleatória e sua simples visão de como deveriam ser as coisas são o suficiente para me inspirarem e me conduzirem a um caminho melhor no meu crescimento como ser humano.

Ohio, uma das cidades onde o livro é ambientado.
Bom . . . depois dessa minha opinião um tanto quanto empolgada sobre o livro, vamos a história. Esta é ambientada nos Estados Unidos, em uma família de classe média alta. Tudo corria muito bem na vida de todos até que o pai de Sorab ( indiano emigrante para os Estados Unidos) morre e sua mãe vai morar com ele, a esposa e o netinho em sua bela casa numa zona nobre do país. A partir daí começam as diferenças de cultura, idade, condição social e ideologia entre os moradores da casa. Além disso, cada um tem que conviver com sua própria dor e seus próprios problemas pessoais, enquanto lutam para manter a situação ao menos tolerante até a poeira baixar.

Alguns podem dizer que o enredo é simples, mas a forma como a história foi escrita vale a pena cada minuto gasto na leitura deste livro.


Pontos positivos:
·         Emocionante.
·         Passa a sensação de uma história real, quase biográfica.
·         Leitura simples para todas as idades.
·         Best-Seller premiado no mundo todo.
·         Enredo e escrita envolvente que nos faz ler de um fôlego só.
·         Descreve um pouco da cultura indiana.

Pontos negativos:
·         Não indicado a pessoas que não gostam de livros emotivos.
·         Pontos de vista diferentes podem desestimular o leitor a terminar o livro.



Trechinhos:

.”Tehmina não conseguia entender. Como é que um menino que havia crescido nas ruas apinhadas e tumultuadas de Bombaim,...podia encaixar-se num mundo tímido, limpo, anti-séptico, livre de germes, bactérias, paixão e miséria humana?”

“Ele saiu da banheira e se descobriu trêmulo, apesar do calor enfumaçado do banheiro. Pegou depressa a toalha, imaginando-se com frio, até que de repente reconhecera a origem do seu tremor. Estava com medo.”

"- Sabe qual foi a primeira vez, em toda a minha vida, que me senti realmente em paz? Estou falando de serenidade, não de paixão nem de alegria. É claro, fiquei radiante quando você finalmente se casou comigo. E, quando o Cookie nasceu e eu o segurei pela primeira vez, aquilo foi como estar no paraíso. Mas, sabe, aquele bom e velho sossego? Foi durante a visita de papai e mamãe depois que o Cookie nasceu. Estar com meu filho recém-nascido e meus velhos pais na mesma casa, sob o mesmo teto... nem sei lhe descrever essa sensação. Foi como se eles representassem o passado, e você e o Cookie, o futuro, entende? Eu me senti inteiro, como se alguém me houvesse recosturado. E pensei: agora poderia acontecer qualquer coisa, um tornado, uma guerra, uma bomba estourando. Mas estaríamos todos juntos."
Thrity Umrigar
Conclusão:
Um excelente livro para dar um breque na correria do dia a dia e fazer com que nos sintamos um pouco mais vivos. Por ter tido grande tiragem é encontrado com preços muito acessíveis em todas as livrarias, o que é mais um motivo para tê-lo em mãos e aproveitar uma ótima história para qualquer amante de livros.

Autor: Thrity Umrigar
Livro: A Doçura do Mundo (If Today be Sweet).
Editora no Brasil: Nova Fronteira
Ano: 2007.

Ler é Mais

Lorem ipsun