ADs

Resenha (75) - Para Onde Ela Foi


Sinopse:
Meu primeiro impulso não é agarrá-la nem beijá-la. Eu só quero tocar sua bochecha, ainda corada pela apresentação desta noite. Eu quero atravessar o espaço que nos separa, medido em passos não em milhas, não em continentes, não em anos , e acariciar seu rosto com um dedo calejado. Mas eu não posso tocá-la. Esse é um privilégio que me foi tirado.
Com a mesma força dramática de Se Eu Ficar, agora pela voz de Adam, Para Onde Ela Foi expõe o desalento da perda, a promessa da esperança e a chama do amor que renasce.

Cena do Filme - Se Eu Ficar
Estou com sérias dúvidas se me sinto feliz com a leitura desse livro ou se me sinto enganado por tê-lo lido. Me desculpe os fãs de Gayle Forman e os que adoraram essa continuação, foi um dos livros mais comerciais que já li.

Digo isso pois não há nenhum parecer, nenhum gancho e nenhum paralelo honesto com o primeiro livro. Apesar do desastre e de todo o drama e do clima pesado que acompanha Se Eu Ficar, no final, tudo acaba relativamente bem. O apelo de Adam para que Mia fique e sua promessa de que faria qualquer coisa caso ela ficasse foi fofo, bonito e o suficiente para coroar uma boa história. Mas tudo isso muda em Para Onde Ela Foi.

Usando um motivo muito, muito fraco, a autora separa os jovens, sendo que cada qual segue sua carreira e alcança o tão almejado sucesso. Até aí, não vejo problema em humanizar os personagens e acabar com o romance tão poderoso como foi o do primeiro livro, porém o gatilho que faz com que eles se separassem foi um dos mais fraquinhos que já vi.  

Apesar de não ter gostado da forma como a trama foi montada, tenho de admitir que a leitura foi prazerosa mesmo assim. Forman tem muito talento para criar boas histórias que prendem e emocionam o leitor. São várias passagens que mexem conosco e no final não me arrependi de ter lido. A grande questão é que foi um livro que, apesar de entreter e divertir, era totalmente desnecessário, pois entendo que o primeiro livro já tinha um desfecho bom o suficiente e poderia ter ficado somente com minha imaginação para saber o que aconteceu com os personagens.

Cena do Filme - Se Eu Ficar.
Esse segundo livro é narrado por Adam e começa com o jovem cantor descrevendo um pouco de sua nova vida de Rockstar. A Shooting Star é um grande sucesso graças as suas composições e uma nova turnê gigante de mais de setenta dias se aproxima, porém o guitarrista está à beira da depressão e logo no começo fica claro que tem muita coisa errada acontecendo com ele.

A maior surpresa do livro vem logo no começo, quando descobrirmos que Adam está namorando, porém sua companheira não é a Mia e sim uma top model famosa que ele conheceu em alguma festa de famosos. O casal é sensação da mídia e dos fãs, com direito a perseguição de paparazzo e tudo o mais e dá uma dinâmica diferente a história e nos deixa curioso para saber o que aconteceu para as coisas acabarem assim, afinal ela deixou de morrer porque ele pediu!

Conforme Adam vai descrevendo alguns poucos acontecimentos, descobrimos que ele e Mia se separaram, ou melhor se afastaram, depois que ela cortou relações com ele sem explicar seus motivos ou lhe dar mais satisfação a respeito. Esse abandono de sua amada é a causa de todos os seus problemas pois, mesmo com dinheiro e podendo sair com a mulher que quiser, tudo que ele sempre quis foi estar com Mia. O fato de não saber o porquê de ter sido abandonado o consome de tal forma que acaba vivendo sempre à beira da depressão e de um colapso nervoso.

Cena do Filme - Se Eu Ficar.
Seu mundo quase acaba de vez quando ele vê um cartaz de propaganda sobre uma apresentação, uma noite antes de sua viagem para a gravação de um videoclipe. Mia é a artista que irá e apresentar e mesmo sem querer de fato saber as respostas que o assombram a anos, decide ir à apresentação apenas para ter um vislumbre dela. Como você deve ter deduzido, é óbvio que eles se encontram nessa noite e todo o peso das palavras não ditas e do tempo perdido será jogado sobre seus ombros. Eles têm apenas uma noite para dar o verdadeiro ponto final em tudo e esclarecer algumas coisas que nenhum dos dois têm certeza de querem que sejam esclarecidas.


Acho que posso dizer que gostei da tentativa da autora de mostrar que mesmo coisas boas e que parecem terem sido destinadas a acontecer podem dar errado depois de um tempo. Também gosto da formo emocionante com a qual ela escreve as histórias e o foco em sentimentos profundos que ela insere nos personagens.

Não gostei dos motivos apresentados por Mia para acabar com a relação, nem da falta de detalhes que ela fornece durante a história. O foco é sempre na situação atual, assim como foi em Se Eu Ficar e isso me deixa com a sensação de que só estou vendo uns 20% de toda a história. Várias coisas da época do primeiro livro aparecem nesse segundo em forma de memórias, mas não estão lá no primeiro. Já disse que achei fraquíssimos os motivos apresentados por Mia e que isso quase estragou o livro? Acabei ficando com a sensação de ler um livro encomendado para fisgar os fãs do primeiro livro e alavancar umas vendas.


Trechinhos:

“Como dizer a Aldous, como contar a qualquer um deles que a música, a adrenalina, o amor, todas as coisas que aliviam quão difícil se tornou, tudo se foi? Só sobrou o redemoinho. E estou bem no meio dele. Meu corpo todo está tremendo. Estou surtando. Um dia pode ter apenas vinte e quatro horas, mas às vezes passar por um parece tão impossível quanto escalar o Everest.”

“O chão está girando, o redemoinho está se formando, e eu estou me coçando por uma daquelas pílulas, mas não tenho como pegar uma agora. Respiro para me acalmar, para evitar um ataque de pânico. Tento ficar calmo, num esforço inútil de fazer com que minha boca diga algumas palavras. Sinto como se estivesse sozinho num palco, sem banda, sem equipamento, tentando lembrar alguma de nossas músicas, sendo assistido por um milhão de pessoas. Sinto como se uma hora estivesse passando enquanto fico lá na frente de Mia Hall, tão sem palavras como um recém-nascido.”

“Se ela soubesse como o círculo interno da banda se virou do avesso para manter o nome dela fora, para não tocar na ferida que surge na própria menção ao nome dela. Que naquele momento mesmo há exigências em contratos de entrevistas que descrevem todos os assuntos proibidos, que, apesar de não darem especificamente o nome dela, são todos para apaga-la do registro. Protegê-la. E a mim.”
Gayle Forman
Conclusão:
Ok, não foi ruim. Ainda me sinto enganado, mas para quem curtiu muito o primeiro livro e estava com saudades dos personagens (eu) o segundo é legal o suficiente para justificar a compra. Só não espere coisas muito elaboradas e ignore os defeitos da trama, de resto valeu a pena!

Autora: Gayle Forman
http://gayleforman.com/          
Livro: Para Onde Ela Foi (Where She Went)
Editora: Novo Conceito (Dutton Penguin)
Ano: 2014
Páginas: 240

Ler é Mais

Lorem ipsun