ADs

Resenha (43) - Insurgente

Insurgente

Sinopse:
Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama - e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.
*********************************************************************************

Insurgente é o segundo volume da trilogia distopia criada por Verônica Roth e para quem acompanhou minha resenha de divergente sabe que adorei o primeiro livro.

O livro continua exatamente da onde paramos no primeiro volume, divergente, e segue com uma narrativa um pouco menos frenética do que acontece no primeiro, mas não se engane, ao contrário do que é normal em trilogias onde o segundo livro acaba ficando maçante, isso não ocorre com insurgente.

Tris está cada vez mais impulsiva e agindo de forma irresponsável, típico comportamento dos membros da audácia. Agora que o sistema de facções está se desmoronando e uma guerra parece algo impossível de ser evitado, tudo que Tris busca é o fim da erudição e principalmente de sua líder a Jeanine, responsável pelos eventos catastróficos do primeiro livro.

No desenrolar da história é visível a evolução e amadurecimento dos personagens. Tris tem vários momentos de reflexão sobre o mundo que a rodeia e começa a perceber que tudo é política e que todos não passam de peões manuseados por chefes que nem sempre são visíveis ou possíveis de reconhecer. Tobias por outro lado, mais acostumado ao cenário político do mundo onde vive busca alternativas e liderança para organizar o que seria uma frágil resistência e a manutenção daquilo em que acreditam.

Algo interessante é também o relacionamento entre Quatro e Beatrice. A autora soube levar a coisa para um lado mais natural fugindo dos lugares comuns de livros para adolescente onde tem de existir uma menina boba, um cara misterioso e um terceiro membro pra fechar um triangulo amoroso. Nesse livro as personagens agem como pessoas quase normais e isso considero um ponto forte do livro.
*********************************************************************************

Não vou me estender muito para não soltar spoliers demais. Posso dizer que o que  mais gostei foi a manutenção da história e como os fatos se desenrolaram. O final é excelente e é tudo o que eu esperava apesar de antes não ter esperanças de que os fatos se desenrolassem dessa maneira. Foi o melhor segundo livro de trilogia que já li até hoje. (exceto talvez por Senhor dos Anéis as Duas Torres mas ai não dá para comparar...rs).

O que não gostei do livro é como a Tris se comporta em grande parte do livro. Me irritava bastante os atos que optava por realizar e as consequências que estes tinham quase pondo tudo a perder em vários momentos. A autora teve uma boa evolução nesse ponto no final, mas mesmo assim acho que forçou um pouquinho.
*********************************************************************************

Trechinhos:

“Começa silenciosamente, com o batimento de um coração. A principio, não sei ao certo de quem é o coração que estou ouvindo, porque o som é alto demais para ser o meu. Depois, percebo que realmente vem do meu coração e está ficando cada vez mais rápido. As palmas das minhas mãos e a parte de trás dos meus joelhos começam a acumular suor. Depois, preciso arquejar para conseguir respirar. É ai que começam os gritos. “
*********************************************************************************

“Não sei por que atravesso as portas. Talvez seja porque decido que, já que chegamos até aqui, não custa nada descobrir o que está acontecendo. Mas acho que o fato é que sei o que é verdade e o que não é. Sou Divergente, não sou uma ninguém. Ninguém está realmente “seguro”, e tenho coisas mais importantes na minha mente do que ficar brincando de casinha com Tobias. E parece que ele também.”
*********************************************************************************

“Li em algum lugar que não há explicação cientifica para o choro. O único propósito das lárima é lubrificar os olhos. Não há um motivo real para as glândulas produzirem um excesso de lágrimas por causa das emoções. Acho que choramos para liberar nosso lado aniumal, sem perder a humanidade.”
*********************************************************************************

“Que foi? – Ele ri um pouco. – Todos têm um papel igual no governo; todos se sentem igualmente responsáveis. E isso faz com que eles se importem; isso os torna gentis. Eu acho isso lindo.”
*********************************************************************************

“Como um animal selvagem, a verdade é poderoso demais para ser mantida aprisionada.”
*********************************************************************************

“Mas é claro que eu queria – digo, frustrada, mas sem muita convicção. Será que eu realmente queria? Ou será que foi agradável esquecer a raiva, a dor, esquecer tudo por algumas horas? – Ás vezes – diz ele, deslizando os braços ao redor dos meus ombros -, as pessoas só querem ser felizes, mesmo que seja de uma maneira irreal.”
*********************************************************************************

Conclusão:


Já disse acima que foi o melhor volume intermediário que li quando se trata de uma trilogia. Não sei se o final da trilogia será excelente assim, mas por enquanto valeu a pena toda a leitura até aqui e divergente tem tudo para se tornar minha trilogia distópica favorita. Se ainda não leu divergente, saiba mais aqui e não perca tempo, de um jeito de começar a ler!



Autora: Veronica Roth
Livro: Divergente (Divergent).
Editora: Rocco (HarperCollins Publishers)
Ano: 2013 (2012)
Páginas: 376

Ler é Mais

Lorem ipsun