ADs

Resenha (41) - O Segredo do Meu Marido

O Segredo do Meu Marido


Sinopse:
Ela virou o envelope. Estava lacrado com um pedaço de fita adesiva amarelada. Quando a carta tinha sido escrita? Parecia velha, como se tivesse sido anos antes, mas não havia como saber ao certo. Imagine que seu marido tenha lhe escrito uma carta que deve ser aberta apenas quando ele morrer. Imagine também que essa carta revela seu pior e mais profundo segredo - algo com o potencial de destruir não apenas a vida que vocês construíram juntos, mas também a de outras pessoas. Imagine, então, que você encontra essa carta enquanto seu marido ainda está bem vivo... Cecilia Fitzpatrick tem tudo. É bem-sucedida no trabalho, um pilar da pequena comunidade em que vive, uma esposa e mãe dedicada. Sua vida é tão organizada e imaculada quanto sua casa. Mas uma carta vai mudar tudo, e não apenas para ela: Rachel e Tess mal conhecem Cecilia - ou uma à outra -, mas também estão prestes a sentir as repercussões do segredo do marido dela. Um romance emocionante, O Segredo do Meu Marido é um livro que nos convida a refletir até onde conhecemos nossos companheiros - e, em última instância, a nós mesmos. - Quinto livro de Liane Moriarty, O Segredo do Meu Marido alcançou o primeiro lugar na lista de mais vendidos do The New York Times apenas duas semanas após seu lançamento. - Considerado pelas revistas People e Entertainment Weekly um dos 10 melhores livros de 2013, foi eleito também o melhor livro do mês de agosto pela Amazon. - O Segredo do Meu Marido já teve os direitos de publicação vendidos para mais de 20 países e os direitos cinematográficos adquiridos pela CBS.
********************************************************************************* 
É sempre complicado para eu escrever sobre um drama. Eles geralmente são de dificil leitura para quem é adepto de estilos com mais ação, com histórias cansativas que focam muito na personalidade dos personagens e retrata situações mundanas, seguindo sempre uma cadencia tranquila na história. Isso vale tanto para o cinema quanto para os livros. O segredo do meu marido, como todo bom drama, faz com que você sinta vontade de pular algumas páginas para que a trama passe mais depressa, pois a espera do desenrolar dos fatos é angustiante. Acho que é por isso que não sou fã de novelas, fico ansioso esperando as coisas acontecerem mas com certeza há quem goste.

A trama é simples, baseada em uma comunidade australiana narra a história de 3 mulheres diferentes e suas respectivas famílias em segundo plano. Cecília, a que considero a protagonista principal desse livro,  é uma típica dona de casa residente em uma pequena comunidade. Cuida de tudo até mesmo da vida financeira do marido e se orgulha muito disso. Todos a adoram e ela gosta de todos. Mas sua vida vai mudar de forma repentina quando ela resolve abrir uma carta que seu marido escreveu para ser aberta na ocasião de sua morte, só que ele se encontra muito vivo quando ela abre a carta.

Rachel é uma senhora amarga que vive somente do ódio e da dor que restaram após o assassinato de sua filha, com dezessete anos na época, a muitos anos atrás. Ela nunca se recuperou, nunca superou o luto e isso a consome dia e noite. Sua vida esta estranhamento ligada a de Cecília apesar de ela ainda não saber disso.

Tess é uma incógnita. Ela não tem muito a ver com o enredo da história. Sua jornada se passa em um ambiente diferente e quase sem ligação com as outras duas protagonistas e não entendi muito bem se havia um objetivo para a presença dela na história ou se apenas era pra dar corpo, mas isso não é um problema, pois sua história é também bastante interessante e me diverti mais com ela do que com as outras duas mulheres.

O livro é sensível ao comportamento humano, descreve situações corriqueiras que muitas pessoas não gostam de admitir que existem e vai fundo no turbilhão de emoções que existe em cada individuo. A trama é bem feita, envolvente na maior parte do tempo e convence no final. Aliás, como todo drama bem escrito o final emociona, surpreende e te deixa meio abalado por alguns minutos pela sua crueza e exposição fria da vida deixando claro que ali não são somente personagens. Poderia ser com seus vizinhos, poderia ser com você.
********************************************************************************* 
O que mais gostei do livro foi o final. Pensava que ia acontecer uma coisa, mas passou bem longe do que eu previa. Fui surpreendido de uma forma bem agradável e me emocionei várias vezes nas últimas páginas do livro em diferentes passagens. A autora soube construir seus personagens com sabedoria deixando-os bem reais, o que deu consistência a trama toda.

O que não gostei, acredito eu, não é um defeito do livro. Não gosto muito de dramas (acho que deu pra perceber né) pois não gosto da demora no desenrolar dos fatos. Sei que é um estilo muito apreciado, mas eu não sou fã e acabo ficando um pouco frustrado no decorrer da leitura. Tirando isso o livro é muito bom e se não fosse minha resistência a esse estilo literário acho que não teria nada a dizer contra, apenas aplaudir.
********************************************************************************* 



Trechinhos:

“Ela pegou o pedaço de pedra (cimento?) e o segurou na palma da mão. Era ainda menor do que se lembrava. Nãom parecia especialmente impressionante, mas ela esperava que bastasse para que fosse recompensada com um dos raros e tortos sorrisinhos de Esther. Requeria um grande esforço arrancar um sorriso dela.”
*********************************************************************************
“Será que John – Paul tinha visto alguma coisa na TV sobre como os soldados na Afeganistão escreviam cartas para serem enviadas a suas famílias caso eles morressem, como mensagens do túmulo, e pensar que seria legal fazer algo parecido?”
********************************************************************************* 
“Ele se jogaria na frente da bala, construiria uma jangada, as conduziria em segurança pelo inferno e, depois que tivesse terminado, passaria o controle de volta para Cecilia, bateria nos bolsos e perguntaria: ‘Alguém viu minha carteira?’”
********************************************************************************* 
“Sua prima passara o dia todo ligando para o celular dela e deixara mensagens de voz e de texto que Tess não ouvira nem lera. Ela se sentia estranha ignorando FElicity, como se estivesse obrigando a si mesma a fazer algo que não era natural.”
********************************************************************************* 
“Ela não entendia droga nenhuma da vida exceto que era arbitrária e cruel, e que algumas pessoas se safavam de um assassinato. Enquanto outras cometiam um erro insignificante, um deslize, e pagavam um preço terrível.”
********************************************************************************* 
“Seu último pensamento coerente foi: Ai merda.
Depois disso não houve mais pensamentos, apenas o pânico inevitável e incontrolável.”
********************************************************************************* 
“Ela pensou: Ah, seu jovenzinho doce e inocente, você não sabe nada sobre culpa. Não faz ideia do que os seus paroquianos são capazes. Acha mesmo que algum de nós confessa mesmo nossos verdadeiros pecados para você? Nossos pecados horríveis?”
********************************************************************************* 

Conclusão:
O livro é bom. Apesar de não ser fã desse estilo consegui me divertir e me emocionar com a história. Se você é daqueles que curtem uma novela e adora observar o dia a dia das pessoas comuns vai adorar esse livro. O final com certeza valeu a pena!!!



Autor: Liane Moriarty, Rachel Agavino
Livro: O Segredo do Meu Marido (The Hunsband’s Secret).
Editora: Intrínseca (Penguin)
Ano: 2013 (2014)
Páginas: 368

Ler é Mais

Lorem ipsun