ADs

A Ressaca Literária

Afinal os livros também provocam ressaca! Esse fenômeno foi reconhecido pela primeira vez em língua inglesa, na qual surgiu a expressão book hangover que significa um estado no qual o mundo envolvente parece ser completamente diferente, porque a pessoa acabou de ler um livro no qual esteve mergulhado completamente.


Foto: Flickr.com/toreo/сс-by

Anna Fedorova, na Voz da Rússia

Nem todos possuem a capacidade de se dissolver dentro de um livro, as pessoas com uma prevalência da parte racional têm bastante mais dificuldade em se separar da realidade que os que vivem das emoções. A ressaca dos livros faz sofrer com maior frequência as pessoas que possuem uma estrutura psíquica refinada, como os poetas, pintores, ou seja, aqueles cuja vida está de uma maneira ou de outra relacionada com a criatividade. A escritora e crítica literária Oksana Liskovaya explicou à Voz da Rússia como ela vê essa “ressaca literária”:

– Esse é um fenômeno frequente em pessoas emotivas, capazes de viver o livro e de perder o seu “eu” durante a leitura. São precisamente as emoções ativas que produzem o efeito da ressaca literária.

– Como perceber que se está refém desse fenômeno?

– Passado algum tempo depois da leitura, você sente a “carência de adrenalina”, claro que ela não tem nada de comum com a ressaca verdadeira. Ela não provoca sentimento de culpa nem a fotofobia, mas surge a sensação de alheamento da realidade, depois da leitura de um livro absorvente é necessário tempo para “acordar” e deixar de depender da realidade ficcional que acabou de te absorver.

É difícil destacar uma categoria de livros que possam produzir esse efeito: das últimas ressacas literárias que eu vivi a “culpa” foi de “A Saga dos Forsyte” de John Galsworthy, de “A História Sem Fim” de Michael Ende e de “Suave é a Noite” de F. Scott Fitzgerald. Eles são muito diferentes em seus sistemas textuais, mas é possível que, especificamente no meu caso, eles tenham algo que os una, alguma dose individual que provoca a reação do organismo.

– É possível sentir a ressaca literária enquanto se lê um livro?

– Neste momento eu sinto essa síndrome não após o fim da leitura do livro completo, mas durante o processo de leitura. Em “A Montanha Mágica” de Thomas Mann há episódios de tal forma fortes que é preciso algum tempo para recuperar, passar por um estado parecido à depressão antes de continuar a leitura. Eu sinto que me “asfixio” com o que li e não consigo fisicamente regressar ao estado anterior sem uma “desintoxicação”.

– Na sua opinião, a ressaca literária é um fenômeno positivo ou negativo? Ele dificulta a vida ou ajuda a viver?

– Provavelmente é positivo, ele contribui para o entendimento do que se leu, para a aquisição de experiência emocional e intelectual. Pessoalmente, ele não me impede de viver, eu gosto desses estados invulgares, para mim isso é muito confortável e agradável, isso é parecido ao estado criativo, quando estás escrevendo, mergulhas no texto e aqui já não importa se o texto é teu ou de outra pessoa. Eu gosto muito de estar nessa “corrente”.

A ressaca literária não é um fenômeno linear. Cada pessoa sente-a à sua maneira, há quem fique triste e sinta saudade do livro que acabou, outros se zangam por ele ter acabado, mas há quem descubra o mundo de uma nova forma e seus mistérios invisíveis na vida cotidiana. As sensações que os livros nos oferecem são inestimáveis.

Ler é Mais

Lorem ipsun