ADs

Resenha (46) - PDM

PDM

Sinopse:
PDM apresenta a história de dois adolescentes que lutam para escapar de um ataque alienígena. Alternando a narrativa entre a voz de Megs e a de Josh, o autor revela ao leitor o quanto a humanidade é capaz de lutar pela sobrevivência e como os seres humanos podem acabar se mostrando inimigos ainda mais perigosos do que os invasores desconhecidos.
Inicialmente pensado para ser volume único, o livro conquistou tantos admiradores ao redor do planeta que Wallenfels entregou há poucos meses a continuação. Segundo o próprio autor, o segundo vai chocar ainda mais os leitores. Hoje, PDM já passou de vinte edições lançadas.
*********************************************************************************
Contado em primeira pessoa alternando entre os dois protagonistas, PDM é uma história emocionante e bem realista com foco principalmente nas reações humanas durante uma crise como uma invasão alienígena que incapacita todos os seres humanos do planeta mantendo-os trancados em casa.
Sem inventar muito, sem criar seres absurdos ou situações forçadas, Wallenfells escreveu um drama sy-fy envolvente que mantém o leitor preso até o final. No começo o livro foi pensado como volume único, mas ainda bem que o autor mudou de ideia e já confirmou o lançamento da continuação, que passa a ser um livro muito aguardado por quem leu o primeiro volume.

A história narra os problemas pessoais de Josh (16) e Meg (12). Josh mora em Washington e após o ataque fica preso em casa com seu pai e seu cachorro. Além de não saber se sua mão sobreviveu ou não a invasão, o adolescente tem que lidar com o humor típico da idade e a compulsão do seu pai por controle. Além disso, a falta de comida e água é um fantasma traiçoeiro a espreita de pai e filho.

Megs estava em fuga do seu último padastro, junto com sua mãe, quando esta lhe deixa em um estacionamento de hotel por algumas horas enquanto acompanha um homem em uma ‘entrevista’ de emprego. O hotel é dominado por homens que não pensam duas vezes diante do uso da violência e da exploração e Megs se vê sozinha tendo de lutar para encontrar água e comida entre os carros abandonados.
O medo da invasão final onde todos serão mortos ronda nossos protagonistas que ficam entre se entregar a derrota ou lutar para viver mais um dia.
*********************************************************************************
O que mais gostei no livro é porque se trata de uma ficção cientifica. Sou fã do gênero e raramente não gosto de um livro que envolva tecnologia ou alienígenas. Os personagens também são muito bem construídos, todos eles, e bem realistas em suas reações humanas. Não há heróis e vilões, apenas seres humanos se mostrando em um momento de crise. Também gostei das tecnologias usadas pelos invasores, o autor foi bem criativo nesse sentido.

Não gostei da falta de alguns detalhes. Faltam muitas respostas sobre a invasão, o que querem, por que vieram e etc.. Espero que no segundo livro encontremos alguns detalhes a mais porém o primeiro deixa o leitor bem angustiado em conhecer melhor os extraterrestres e também em saber como ficou o mundo após a chegada deles. Josh, apesar de ser um personagem bem montado, foi criado como o pior tipo de adolescente. Mimado e rebelde sem causa ele consegue irritar às vezes, mas nada que estrague a leitura.
*********************************************************************************
Trechinhos:
“Tem um corpo dentro. É uma velha mulher no banco de trás. Ela ainda está usando o sinto de segurança. Seu cabelo é curto, prateado e enrolado, como em um poodle.No principio pensei que ainda estivesse viva porque seus olhos estavam abertos, demorei longos dois minutos para entender que ela não está. Há uma pequena linha de sangue seco saindo de sua orelha esquerda. Sua face está acinzentada e inchada. Sua boca está levemente aberta mostrando um tipo de lingua cinza. Seus olhos estão vidrados como um manequim em lojas de roupa. E então, o cheiro chega até mim.”
*********************************************************************************

"Eu tenho tido um sonho sobre a mamãe. ela está fazendo suas famosas panquewcasa e me contando sobre um jogo que brincava quando era criança, algo sobre se esnconder dos monstros. Desde que ficasse quieta, muito quieta, ela podia se esconder em qualquer lugar e os monstros nunca iriam pegá-la. Ela diz que agora ´minha vez e jogar. Eu pergunto a ela porque?. Ela põe um dedo nos lábios e sussurra, "Porque eles estão aqui,"e então ela começa a contar, um, dois, três....."
*********************************************************************************

“Alex tem sorte. Ele mora em um duplex próximo ao prédio de apartamentos do outro lado da rua. O que significa que tem uma nave bem em cima da casa dele. E isso significa que ele tem sorte porque ela não pode vê-la. Eu por outro lado, não tenho sorte. Eu a vejo toda a vez que olho para fora da janela da sala. A nave, e uma bicicleta quebrada rodeada de jornais enrolados.”
*********************************************************************************

"Ele pensa que nao levo a questão da comida a sério mas eu levo sim! É só uma questão de pontos de vista. A opinião dele é que nós deviamos começar a racionar. Comer menos, fazer com que dure mais. Minha opinião é que vamos morrer a qualquer segundo então porque não viver bem até lá? Para que passar fome? Da forma que vejo, quanto mais comermos, menos deixaremos para tras para a invasão 'Storm Trooper"."
*********************************************************************************

Conclusão:
É um bom livro. Se não houvesse continuação seria um livro fraco que promete não entrega, mas como tem, foi um ótimo inicio de série. Bem escrito e prendeu a leitura até o final. Recomendo para quem curte dramas e ficção.


Autor: Stephen Wallenfels
Livro: PDM (POD)
Editora: Bertrand Brasil (Ace Books)
Ano: 2014 (2012)
Páginas: 280

Ler é Mais

Lorem ipsun