ADs

Resenha (42) - Divergente

Divergente 


Sinopse:
Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.
A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.

E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.
*********************************************************************************

Sempre admirei a capa de Divergente nas livrarias, mas nunca encontrei tempo para ler, sempre tinha leituras pendentes a cumprir ou livros que comprei de promoções e acabei deixando passar esse livro, algo que não deveria ter feito. A Rocco, com toda a propaganda relacionada a Convergente, último livro da trilogia, me cativou a finalmente adquirir a obra e começar a leitura, valeu a pena cada frase escrita no livro.

Divergente é uma distopia, ou seja, um tempo no futuro onde as coisas, ao contrário da utopia, não deram muito certo. Vamos acompanhar a história e Beatrice, ou Tris, que vive em uma das cinco facções existentes em sua cidade, que na verdade é Chicago. O livro começa momentos antes da sua cerimônia de escolha onde junto com seu irmão, poderá escolher se continuará em sua facção, a Abnegação, ou se irá escolher uma das outras quatro – Audácia, Amizade, Erudição e Franqueza.

A escolha não é simples. Primeiro você precisa passar por um teste que vai indicar se você tem ou não inclinação a outra facção. Isso ajuda na escolha, mas a troca de facções é algo raro, geralmente as pessoas permanecem onde nasceram principalmente porque trocar de facção significa abandonar sua família para sempre.

No momento de seu teste, que é uma simulação induzida por substâncias químicas, Beatrice vai escolher mudar, e isso irá ser o começo não de uma vida nova, mas da luta pela sobrevivência, sua e das pessoas que ama.
********************************************************************************* 

O que mais gostei em divergente é a forma como a autora imaginou essa cidade. São diversas obras distopias e muitas parecidas entre si mas o modelo proposto por Verônica nos leva aos nossos valores mais primitivos, sejam eles bons ou ruins. Como todo romance juvenil há amor no ar e a autora soube trabalhar bem o casal do livro, sem muita frescura  como é comum nos livros hoje em dia. A personalidade dos personagens também é muito bem desenvolvida e não falta ação no livro. O tempo todo há algo acontecendo e você vai em um ritmo frenético de descobertas do começo ao fim.

Me incomodou o fato de a história ficar restrita a Chicago. E o resto do mundo? O que aconteceu com a humanidade? Como chegaram a este ponto? São respostas que não temos. Não chega a ser de fato um ponto negativo, afinal há ainda dois livros para completar a trilogia, porém o fato de nenhuma menção a isso deixa a história um pouco pobre. Espero que nos próximo possamos encontrar mais respostas sobre o que de fato aconteceu e o que está acontecendo, pois há muitos outros mistérios envolvendo Tris e os divergentes (você vai descobrir o que são lendo o livro, nada de spoilers por aqui..rs).
*********************************************************************************

Trechinhos:

“Eu gostaria de sentir vontade de chorar, porque as lágrimas poderiam me trazer um sentimento de liberação, mas eu não sinto nada.”
*********************************************************************************

“[…] eu tento ser honesta, mas algumas coisas você simplesmente não quer que as pessoas saibam.”
*********************************************************************************

“são sei para onde estou indo. Suspeito que não esteja indo para lugar algum, apenas para longe.”
*********************************************************************************

“Ele descobriu mais de mim do que eu. E mesmo que pareça impossível que ele pudesse sentir alguma coisa por mim, dado tudo que eu não sou… Talvez”
*********************************************************************************

“Em algum lugar dentro de mim existe uma pessoa misericordiosa e capaz de perdoar. Em algum lugar existe uma garota que tenta entender o que as pessoas estão passando, que aceita que pessoas fazem coisas ruins e que o desespero as leva para lugares sombrios inimagináveis. Posso jurar que ela existe, e ela sofre pelo rapaz arrependido que está na minha frente.
Mas se eu a visse, não seria capaz de reconhecê-la.”
*********************************************************************************

“Alguém se ajoelha perto do rosto dele e fecha seus olhos. Talvez tentando fazer parecer que ele estava dormindo. Estúpido. Por que as pessoas querem fingir que a morte é igual a dormir? Não é. Não é..”
*********************************************************************************

“Os seres humanos, de um modo geral, não podem ser bons por muito tempo antes do mal rastejar de volta e envenenar-nos outra vez.”
*********************************************************************************

“Meu pai costumava dizer que às vezes a melhor forma de ajudar alguém é apenas ficar perto dela.”
*********************************************************************************

“Eu gosto de pensar que ao odiá-los eu estou ajudando eles,” ela fala. “Eu estou lembrando que eles não são um presente de Deus para a humanidade.”
*********************************************************************************

“Mu pai diz que quem quer poder e o ganha vive com medo de perdê-lo. Por isso é que temos que dar o poder a quem não quer tê-lo.”
********************************************************************************* 

Conclusão:

Divefgente é uma ótima trilogia. Por enquanto segue os padrões das distopias que estão sendo escritas nos últimos anos mas tem algo a mais. A forma de escrita, o modelo criado pela autora e os persongens chamam a atenção e fazem com que divergente se destaque. Além disso temos mais 2 livros ainda por vir e algo me diz que essa distopia em especial não tem nada de previsível.


Autora: Veronica Roth
Livro: Divergente (Divergent).
Editora: Rocco (HarperCollins Publishers)
Ano: 2012 (2012)
Páginas: 502

Ler é Mais

Lorem ipsun