ADs

Capitulo de The Winds of Winter - Game of Thrones

George R. R. Martin divulgou em Março mais um capitulo do sexto livro da saga.

Demoramos um pouquinho mas traduzimos o trecho do livro divulgado por George R. R. Martin. Não sabemos de qual parte do livro esse capitulo pertence, mas sabemos que vale a pena a leitura. O finalzinho é tão bom que chega a doer de tão bom......Justamente o que esperávamos de um dos principais personagens da série.

Leia abaixo a tradução e desde já peço perdão por eventuais erros de linguísticos, de concordância e ainda de coerência no texto, afinal não sou tradutor, o intuito aqui é ajudar aqueles que não leem em inglês terem o mesmo gostinho do que está por vir que nós tivemos!!!!


Ela acordou com um suspiro, sem saber quem era, nem onde estava.
O cheiro de sangue era pesado em suas narinas ... ou era seu pesadelo, demorando para sair de sua mente? Tinha sonhado com lobos de novo, correndo por alguma escura floresta de pinheiros, fixa no cheiro de presa.
Uma meia luz preencheu a sala, cinza e sombria. Tremendo, ela se sentou na cama e passou a mão através de seu couro cabeludo. O que restou das cerdas contra a palma da mão. Eu preciso me depilar antes Izembaro veja. Mercy, eu sou a Misericórdia, e hoje à noite eu vou ser estuprada e assassinada. Seu verdadeiro nome era Mercedene, mas Mercy era como ficou conhecida...
Exceto nos sonhos. Ela respirou fundo para acalmar o uivo em seu coração, tentando se lembrar mais sobre o que tinha sonhado, mas a maior parte já tinha sumido. Havia sangue e uma lua cheia acima de sua cabeça e uma árvore que a observava enquanto ela corria.
Ela fechou as persianas de volta para que o sol da manhã não pudesse acordá-la. Mas não havia sol do lado de fora da janela do quarto da pequena Mercy, apenas uma parede feita de uma névoa cinzenta. O ar tinha se tornado frio ... uma coisa boa, senão ela poderia ter dormido o dia inteiro. Seria bem tipico de Mercy dormir durante seu próprio estupro.
Gooseprickles cobriu suas pernas. Sua colcha tinha torcido em torno dela como uma cobra. Ela a desenrolou, jogou o cobertor no chão e caminhou nua para a janela. Bravos estava perdido no nevoeiro. Ela podia ver a água verde do pequeno canal mais abaixo, a rua com pavimento de pedras que corria debaixo de seu prédio, dois arcos da ponte de musgo ... mas o fim da ponte desaparece em numa mistura de cinza com o nada, e dos edifícios em torno do canal apenas algumas vagas luzes permanecem acessas. Ela ouviu um toque suave quando um barco serpente surgiu sob arco central da ponte. "Que hora?" Mercy perguntou para o homem que estava em pé na cauda erguida da cobra, empurrando-a para a frente com seu bastão.
O homem da agua olhou para cima, procurando a voz. "Quatro, pelo rugido do Titã." Suas palavras ecoaram surdamente fora das águas verdes e nas paredes dos edifícios invisíveis.
Ela não estava atrasada, ainda não, mas ela não deveria perder tempo. Mercy era uma alma feliz e trabalhadora, mas raramente em tempo hábil. Isso não serviria esta noite. O enviado de Westeros era esperado nos portões esta noite e Izembaro estaria sem vontade de ouvir desculpas, mesmo que ela os sirva com um sorriso doce.
Ela encheu sua bacia no canal ontem à noite antes de ir dormir, preferindo a água salobra a água da verde e viscosa da chuva armazenada na cisterna do lado de fora. Mergulhando um pano áspero, ela lavou-se da cabeça aos pés, de pé sobre uma perna de cada vez para esfregar seus pés calejados. Depois disso, ela encontrou sua navalha. Um escalpo nu ajuda as perucas a se encaixarem melhor disse Izembaro.
Ela se raspou , vestiu suas roupas pequenas, e colocou um disforme vestido de lã marrom sobre sua cabeça. Uma de seus meias precisa de conserto reparou ela enquanto puxava-a para cima. Ela iria pedir ajuda ao Snapper; sua própria costura era tão miserável que o costureiro normalmente tinha pena dela . Ou então poderia surrupiar um par mais bonito do guarda-roupa. Era arriscado , no entanto. Izembaro odiava quando os mascarados usavam seus trajes nas ruas . Exceto Wendeyne . Por uma pequena chupada no pau de Izembaro uma garota pode usar qualquer traje que ela quiser. Mercy não era tão tola assim. Daena tinha avisado a ela . "As meninas que começam por esse caminho acabam no navio, onde cada homem sabe que pode ter qualquer coisa bonita que ele ver em cima do palco , se sua bolsa for gorda o suficiente. "
Suas botas eram pedaços de couro marrom velho, manchado e rachado por causa do desgaste depois de muito uso, seu cinto pedaço comprido de corda de cânhamo tingido azul. Ela deu um nó em torno da cintura , e pendurou uma faca em seu quadril direito e uma bolsa de moedas à sua esquerda . Por úlitmo, jogou o manto sobre os ombros . Foi um verdadeiro manto de mummer , lã roxa forrada em seda vermelha , com um capuz para manter a chuva fora , e ainda três bolsos secretos. Ela escondeu algumas moedas em um desses, uma chave de ferro no outro , uma lâmina na último . Uma lâmina de verdade, não uma faca de frutas como a que estava em seu quadril mas que não pertencia a Mercy, não mais do que seus outros tesouros. A faca de frutas pertencia a Mercy. Ela foi feita para comer frutas , para sorrisos e brincadeiraso, para trabalhar duro e fazer como lhe foi mandado.
"Mercy , Mercy , Mercy ", ela cantou enquanto descia a escada de madeira para a rua. O corrimão era escorregadio, os degraus íngremes, e havia cinco vôos, mas foi por isso que ela conseguiu o quarto tão barato. Isso, e o sorriso de Mercy. Ela pode ser careca e magra, mas Mercy tinha um sorriso bonito, e uma certa graça . Mesmo Izembaro concordava que ela estava graciosa. Ela não estava muito longe da portão, mas para as meninas com pés ao invés de asas o caminho era mais longo. Bravos era uma cidade torta. As ruas estavam tortas, os becos eram mais tortos ainda, e os canais eram os mais distorcidos de todos. Na maioria dos dias , ela preferia ir pelo caminho mais longo , descendo a estrada do Ragman ao longo do Porto Exterior, onde tinha o mar à sua frente e o céu sob sua cabeça, além de uma visão clara de toda a Grande Lagoa até o Arsenal e as pistas de pinheiros de Escudo de Sellagoro . Os marinheiros iriam aclamar enquanto ela passava pelas docas, chamando de dentro do convés de baleeiros Ibbenese e os grandes cargueiros de Westeros . Mercy nem sempre conseguia entender suas palavras, mas ela sabia o que eles estavam dizendo. Às vezes, ela iria sorrir de volta e dizer que eles poderiam encontrá-la no portão se tivessem a moeda.
O longo caminho a levou através da Ponte dos Olhos com seus rostos de pedra esculpida . Do alto da sua extensão , ela poderia olhar através dos arcos e ver toda a cidade : as cúpulas de cobre verdes do Salão da Verdade, os mastros subindo como uma floresta no Porto Roxo, as Torres Altas dos porderosos, o raio dourado ligando a torre em cima do Palácio do Sealord ... até mesmo os ombros de bronze do Titã, através das águas verde-escuras. Mas isso era só enquanto o sol brilhava sobre Bravos. Se o nevoeiro era denso não havia nada para ver além do cinza, por isso Mercy escolheu hoje o caminho mais curto para economizar um pouco suas já desgastadas botas.
A névoa parecia se separar para ela e se fechar de novo quando ela passava. Os paralelepípedos estavam molhados e escorregadios sob seus pés. Ela ouviu um melancólico miado de gato. Bravos era uma cidade boa para os gatos, e eles percorriam todos os lugares, especialmente à noite. Na neblina todos os gatos são pardos, Mercy pensava. Na neblina todos os homens são assassinos.
Ela nunca tinha visto uma névoa mais espessa do que esta. Nos canais maiores, os barqueiros estariam indo com seus barcos serpentes um contra o outro, incapazes de achar uma diereção ou caminho além do indicado pelas fracas luzes dos edificios ao redor.
Mercy passou um homem velho com uma lanterna caminhando para o outro lado, e invejou sua luz. A rua estava tão sombria que ela mal podia ver onde estava pisando. Nas partes mais humildes da cidade, as casas, lojas e armazéns amontoados juntos, apoiando-se uns aos outros como amantes bêbados, seus andares superiores tão perto que você pode passar de uma varanda para a outra. As ruas abaixo tornaram-se túneis baixos onde cada passo ecoa. Os pequenos canais se tornaram ainda mais perigosos, uma vez que muitas das casas que contornam sua margem tem banheiros projetando-de sobre a água. Izembaro gostava de dar o discurso do Sealord da filha Melancoliaca do comerciante, sobre como " aqui o último Titã ainda está de pé, montado nos ombros de pedra de seus irmãos ", mas Mercy preferiu a cena em que gordo comerciante cagou na cabeça do Sealord enquanto este passava por baixo em sua barca de ouro e púrpura. Somente em Bravos poderia algo assim acontecer dizia-se, e somente em Bravos o Sealord e seus marinheiros iriam uivar de rir ao vê-lo.
O Portão ficava perto da borda da Drowned Town, entre o Porto Exterior e o Porto Roxo. Um velho armazém tinha queimado lá e o chão estava afundando um pouco mais a cada ano. No topo da pedra
fundamental do armazém, Izembaro levantou o cavernosa teatro. O Dome e o Lanterna Azul podem
desfrutar de ambientes mais elegantes, ele disse a seus mascarados, mas aqui entre os portos,
que nunca falte para marinheiros e prostitutas preencherem sua pena. O navio estava por perto,
ainda puxando multidões consideráveis?? para o cais , onde ela havia sido amarrada por vinte
anos, disse ele, e o Portão iria florescer também.
O tempo provou que ele estava certo. O Portão havia desenvolvido uma inclinação como o edifício, seus trajes eram propensos a mofo, e cobras de água viviam aninhados no porão inundado, mas nenhum destes problemas perturbou os saltimbancos desde que a casa continuasse cheia.
A última ponte foi feita de corda e tábuas cruas, e pareceu se dissolver no nada, mas isso foi apenas o nevoeiro. Mercy correu transversalmente, os calcanhares tocando na madeira. O nevoeiro abriu diante dela como uma esfarrapada cortina cinza para revelar o teatro. Luz amarela se derramava das portas e Mercy podia ouvir vozes lá dentro. Ao lado da entrada, Big Brusco tinha pintado sobre o título do último show e escrito A Mão Sanfrenta em seu lugar em grandes letras vermelhas. Ele estava pintando uma mão sangrenta abaixo das palavras, para aqueles que não sabiam ler. Mercy parou para dar uma olhada. "Esse é uma boa mão", ela disse a ele.
"O dedão está torto." Brusco arrumou-a com o seu pincel. "O rei dos Saltimbancos está perguntando por você."
"Estava tão escuro que eu dormi e dormi." Quando Izembaro tinha primeiro se apelidado de o Rei dos Saltimbancos, a companhia havia tido um prazer perverso em que saboreava a indignação de seus rivais do Dome e do Lanterna Azul. De tarde, porém, Izembaro tinha começado a levar o seu título muito a sério. "Ele só vai atuar como rei", Marro disse , revirando os olhos"
O Mão Sangrenta ofereceu dois reis, o gordo e o rapaz . Izembaro iria atuar como o gordo. Não foi uma grande participação, mas ele tinha um belo discurso enquanto estava morrendo, e uma esplêndida luta com um javali demoníaco antes disso. Phario Forel escreveu isso, e ele teve a pena mais sangrenta de toda a Bravos .
Mercy encontrou a companhia montada atrás do palco, e deslizou entre Daena e o Snapper na parte de trás , esperando que a sua chegada atrasada passaria despercebida. Izembaro estava dizendo a todos como ele esperava que O Portão estivesse lotado até o teto essa noite, apesar do nevoeiro. "O Rei de Westeros está enviando seu enviado para fazer uma homenagem ao Rei do Saltimbancos esta noite", disse ele a sua trupe . "Nós não vamos decepcionar nosso companheiro monarca."
"Nós?", Disse o Snapper, que fez todos os figurinos para os mascarados . "Há mais de um dele, agora?"
"Ele é gordo o suficiente para contar por dois", sussurrou Bobono. Cada trupe de saltimbancos tinha que ter um anão. Ele era deles. Quando ele viu Mercy, deu-lhe um olhar malicioso. "Oho", disse ele, "ali está ela. Esta a menina pronta para seu estupro?" Ele estalou os lábios .
O Snapper bateu-lhe na cabeça. "Fique quieto ."
O Rei dos Saltimbancos ignorou a breve comoção. Ele ainda estava falando , dizendo aos mascarados quão magníficos eles devem ser. Além de o enviado de Westeros , haveria investidores no meio da multidão esta noite, e cortesãs famosas também. Ele não tinha a intenção de deixa-los sair com uma máuma má opinião do Gate. "Irá acabar mal para qualquer homem que me falhar", ele prometeu, uma ameaça que ele emprestou do discurso do Príncipe Garin deu na véspera da violenta batalha dos Dragonlords, primeira peça do Phario Forel .
No momento em que Izembaro finalmente terminou de falar, restava menos de uma hora antes do show começar e os mascarados por sua vez estavam todos frenético e inquieto. O Gate tocou para o som do nome de Mercy.
"Mercy", implorou sua amiga Daena, "Lady Stork pisou na bainha de seu vestido novo. Venha me ajudar a costurar-lo. "
"Mercy", o estranho chamou, "trazer a pasta sangrenta, o meu chifre está se soltando."
"Mercy", trovejou Izembaro o Grande ele mesmo: "o que você fez com a minha coroa, menina? Eu não posso fazer a minha entrada sem minha coroa. Como eles saberão que eu sou um rei? "
"Mercy", chiou Bobono, o anão, "Mercy, algo está errado com os meus laços, meu pau continua debatendo para fora."
Ela pegou a pasta pegajosa e prendeu o chifre esquerdo do Estranho de volta na testa. Ela encontrou a coroa de Izembaro na latrina onde ele sempre deixava e ajudou-o a fixá-la na peruca e, em seguida, correu para a agulha e a linha para que o Snapper pudesse costurar a bainha de renda de volta no vestido de pano-de-ouro que a rainha usaria na cena do casamento.
E o pau de Bobono estava realmente debatendo do lado de fora. A roupa foi feita para cair, para o estupro. Que coisa horrível, Mercy pensou quando ela se ajoelhou diante do anão para consertá-lo. O membro tinha um pé de comprimento e era tão grosso como seu braço, grande o suficiente para ser visto a partir do lugar mais alto dos camarotes. Entretando o tintureiro havia feito um mau trabalho com o couro; a coisa era manchada de rosa e branco, com uma cabeça bulbosa da cor de uma ameixa. Mercy empurrou-o de volta para os calções de Bobono e o puxou de volta para cima. "Mercy", ele cantou enquanto ela amarrava-o com força, "Mercy, Mercy, vem ao meu quarto esta noite para  fazer de mim um homem."
"Eu vou fazer um eunuco de você, se você continuar a desamarrar-se apenas para que eu vá mexer em sua virilha."
"Nós fomos feitos para ficarmos juntos, Mercy", Bobono insistiu. "Olha, nós somos exatamente do mesmo tamanho."
"Só quando eu estou de joelhos . Você se lembra de sua primeira " Tinha sido apenas uma quinzena desde que o anão tinha cambaleado até o palco e aberto a angústia do Archon com o discurso do comerciante de Lusty Lady. Izembaro iria esfolá-lo vivo se ele fezisse tal erro de novo, e não importa o quão difícil iria ser encontrar um bom anão.
"O que estamos encenando, Mercy", perguntou Bobono inocentemente.
Ele está me provocando, Mercy pensava. Ele não está bêbado esta noite, ele sabe qual é o show perfeitamente. "Estamos fazendo a nova Mão Sangrenta de Phario, em honra ao enviado dos Sete Reinos."
"Agora eu me lembro." Bobono baixou a voz para um coaxar sinistro. "O Deus de sete faces me enganou", disse ele. "Meu nobre senhor ele fez do mais puro ouro, e de ouro ele fez meus irmãos, menino e menina. Mas eu fui formado de um material mais escuro, de ossos e de sangue e de barro, torcido para esta forma rude que você vê diante de você." Com isso, ele agarrou o seu peito, procurando por um mamilo." Você não tem peitos. Como posso estuprar uma menina sem peitos?"
Ela pegou seu nariz entre o polegar e o indicador e torceu. "Você não terá nenhum nariz até tirar as suas mãos de mim."
"Owwwww", o anão gritou, soltando-a.
"Meus seios irão crescer em um ano ou dois. Mas seu nariz nunca irá crescer outra vez. Pense nisso antes de me tocar lá."
Bobono esfregou o nariz. "Não há necessidade de ficar tão tímida. Eu estarei estuprando você em breve."
"Não até o segundo ato."
"Eu sempre dou as tetas da Wendeyne um bom aperto quando eu vou estuprá-la na angústia do Archon", o anão reclamou. "Ela gosta, e platéia também. Você tem que agradar o platéia."
Essa foi uma das "sabedorias" de Izembaro, como ele gostava de chamá-las. Você tem que agradar o platéia. "Eu aposto que iria agradar a platéia se eu arrancasse o pau do anão e batesse com ele em cima da cabeça do anão," Mercy respondeu. "Isso é algo que eles nunca viram antes." Sempre lhes de algo que eles nunca virão antes é outra das sabedorias de Izembaro, e uma que Bobono não tinha uma resposta fácil para dar." Pronto, você está pronto," Mercy anunciou. "Agora veja se você pode mante-lo em suas calças até que seja necessário."
Izembaro estava chamando por ela novamente. Agora ele não conseguia encontrar sua lança de caçar javalis. Mercy a encontrou para ele, ajudou o Big Brusco com seu terno de javali, verificou as adagas falsas apenas para ter certeza de que ninguém as tinha substituído por uma com lâmina real (alguém tinha feito isso no Dome uma vez, e um mummer havia morrido), e serviu Lady Stork sua pequena dose de vinho que sempre gosta de tomar antes de cada ato. Quando todos os gritos de "Mercy, Mercy, Mercy" finalmente se extinguiram, ela tirou uns minutos para uma rápida olhada dentro da casa.
A platéia estava lotada, tão cheia como nunca tinha visto antes. E eles já estavam se divertindo, brincando e brigando, comendo e bebendo . Ela viu um mascate vendendo pedaços de queijo, arracando pedaçoes da rodela com os dedos sempre que encontrava um comprador. Uma mulher tinha um saco de maçãs enrugadas. Taças de vinho foram sendo passadas de mão em mão, algumas meninas estavam vendendo beijos, e um marinheiro estava jogando os tubos do mar. O pequeno homem de olhos tristes chamado Quill estava na parte de trás, venha ver o que ele poderia roubar para sesus próprios joguinhos. O mágico Cossomo tamnbém tinha vindo e em seus braços estava Yna, a prostituta de um olho só de Porto Feliz, mas Mercy não teria como conhecer esses dois, e eles não conheciam Mercy. Daena reconheceu alguns frequentadores assíduos do Gate no meio da multidão e os apontou para ela; O tintureiro Dellono com seu rosto cheio de sardas e as mãos arroxeadas, Galeo, o fazedor de salsichas vestindo seu avental de couro todo engordurado, Tomarro com seu rato de estimação em seu ombro. "É melhor Tomarro não deixar Galeo ver aquele rato", Daena disse. "Ouvi dizer que essa é a única carne que ele coloca naquelas salsichas." Mercy cobriu a boca e riu.
Os camarotes também estavam enchendo. O primeiro e terceiro nível eram para os comerciantes, os capitães e os outros respeitáveis. O bravos preferiam a quarta e mais alta, onde os assentos eram mais baratos. Era uma profusão de cores brilhantes lá em cima, enquanto lá embaixo tons mais sombrios dominavam. O segundo nível foi dividido em box privados, condizente com o conforto e privacidade dos poderosos, seguramente separado da vulgaridade acima e abaixo. Eles tinham a melhor vista do palco, e os servos para lhes trazer comida, vinho, almofadas, tudo o que podem desejar. Era raro encontrar o segundo nível com mais da metade cheia no Gate; O ilustre visitante que estava afim de uma noite de palhaçadas era sempre mais inclinado e visitar o Domo ou o Lanterna Azul, onde as ofertas foram consideradas mais sutis e mais poéticas.
Esta noite era diferente, embora, sem dúvida, por conta do enviado de Westeros. Em um reservado sentaram três descendentes de Otharys, cada um acompanhado por uma cortesã famosa; Prestayn sentou-se sozinho, um homem tão velho que você se perguntava como ele conseguiu chegar em seu assento; Torone e Pranelis compartilhavam outro reservado assim como compartilhavam uma desconfortável aliança; O Terceira Espada estava hospedando uma meia dúzia de amigos.
"Eu conto cinco keyholders", disse Daena.
"Bessaro é tão gordo que você deveria contá-lo duas vezes," Mercy respondeu, rindo. Izembaro tinha também uma barriga grande, mas em comparação com Bessaro ele era tão ágil como um salgueiro. O keyholder era tão grande que ele precisava de um assento especial, três vezes o tamanho de uma cadeira comum.
"São todos gordos aqueles Reyaans", disse Daena. "Barrigas tão grandes quanto seus navios. Você deveria ter visto o pai. Ele faria este aqui parecer pequeno. Uma vez que ele foi convocado para votar no Hall of Truth, mas quando ele pisou em seu barco este afundou." Ela agarrou Mercy pelo cotovelo. "Olha, o camarote do Sealord." O Sealord nunca tinha visitado o Gate, mas Izembaro havia reservado um camarote para ele de qualquer maneira, o maior e mais opulento da casa. "Aquele deve ser o enviado de Westeros. Você alguma vez já viu roupas assim em um homem velho? E olha, ele trouxe a Pérola Negra!"
O enviado era ligeiramente careca, com uma engraçada mecha cinza em uma crescente barba em seu queixo. Sua capa e seus calções eram de veludo amarelo. O gibão era de um azul tão brilhante que quase fez os olhos de Mercy lacrimejarem. Sobre seu peito um escudo tinha sido bordado em linha amarela, e sobre o escudo havia um orgulhoso galo desenhado em lápis-lazúli . Um de seus guardas o ajudou a se sentar enquanto outros dois peermaneceram atrás dele nos fundos do camarote.
A mulher que estava com ele não poderia ter mais do que um terço a sua idade. Ela era tão linda que as lâmpadas pareciam mais brilhantes quando ela passava. Estava vestida com um vestido decotado de seda amarelo-pálido, constratando contra o brilhante marrom da sua pele. Seu cabelo preto estava preso em uma rede de fios de ouro, e um colar de ouro escovado contra a topo de seus fartos seios. Enquanto observavam , ela inclinou-se para o enviado e sussurrou algo em seu ouvido que o fez rir. "Eles deveriam chamá-la de a Pérola Marrrom", disse Mercy para Daena. "Ela é mais marrom do que o preta."
"A primeira Pérola Negra era preta como um pote de tinta", disse Daena. "Ela era uma rainha pirata, filha de um Sealord com uma princesa das Ilhas do Verão. Um rei dragão de Westeros a levou como sua amante."
"Eu gostaria de ver um dragão", disse Mercy melancolicamente. "Por que o emissário tem uma galinha em seu peito?"
Daena uivou. "Mercy , você não sabe de nada? É o seu emblema. Nos Reinos do sol todos os senhores têm emblemas. Alguns têm flores, alguns têm peixes, alguns têm ursos, alces e outras coisas. Veja, os guardas do enviado estão vestindo leões."
Era verdade. Havia quatro guardas; grandes homens feios em cota de malha, com longas e pesadas espadas de Westeros embainhadas em seus quadris. Seus mantos carmesim foram bordados em espirais de ouro, e os leões de ouro com olhos vermelhos granada apertavam cada ombro. Quando Mercy olhou para os rostos sob os leões dourados que lhe serviam de elmos, seu estomago deu uma virada. Os deuses deram-me um presente. Seus dedos agarraram com força o braço de Daena. "Esse guarda, o do final, atrás da Pérola Negra".
"O que tem ele? Você o conhece? "
"Não." Mercy tinha nascido e sido criada em Bravos, como ela poderia saber alguma coisa sobre Westeros? Ela tinha que pensar um pouco. "É só ... bem, ele é bom pra se olhar, você não acha?" Ele era de certo modo tosco, embora seus olhos fossem duros.
Daena encolheu os ombros. "Ele é muito velho. Não é tão velho quanto os outros, mas ... ele poderia ter trinta. E de Westeros. Eles são selvagens terríveis, Mercy. Melhor ficar bem longe de sua espécie."
"Ficar longe?" Mercy deu uma risadinha. Ela era uma espécie de menina risonha. "Não. Eu tenho que chegar mais perto." Ela deu um aperto em Daena e disse: "Se o Snapper vier me procurar, diga a ele que eu saí para ler minhas falas novamente." Ela só tinha umas poucas e a maioria era apenas, "Oh, não, não, não" e "não, oh não, não me toque", e "Por favor, senhor, eu ainda sou uma donzela", mas esta foi a primeira vez que Izembaro havia lhe dado algumas falas, por isso era de se esperar que a pobre Mercy gostaria de fazer tudo certo.
O enviado dos Sete Reinos tinha deixado dois de seus guardas em seu camarote para ficar atrás dele e da Pérola Negra, mas os outros dois tinham sido postados do lado de fora da porta para ter certeza de que ele não seria perturbado. Eles estavam conversando tranquilamente no Idioma Comum de Westeros quando ela escorregou silenciosamente atrás deles pela passagem escura. Isso não era uma língua da qual Mercy sabia.
"Sete infernos, este lugar é úmido", ela ouviu seu guarda reclamar. "Estou gelado até os ossos. Onde estão as laranjeiras sangrentas? Eu sempre ouvi dizer que havia laranjeiras nas Cidades Livres. Limões e limas. Romãs. Pimentas quentes, noites quentes, meninas com barrigas nuas. Onde estão as garotas nuas, eu lhe pergunto? "
"Mais abaixo em Lys, Myr e na antiga Volantis", respondeu o outro guarda. Ele era um homem mais velho, barrigudo e grisalho. "Eu fui para Lys uma vez com Lorde Tywin, quando ele era Mão de Aerys. Bravos fica ao norte de Porto Real seu tolo. Você não consegue ler um mapa?"
"Quanto tempo você acha que vamos ficar aqui?"
"Mais do que você gostaria," respondeu o velho. "Se ele voltar sem o ouro a rainha terá sua cabeça. Além disso, eu tenho visto a esposa dele. Há caminhos no Rochedo em que ela não pode descer com medo de ficar entalada, de tão gorda que ela é. Quem iria querer voltar para aquilo, quando ele tem a sua rainha cor de fuligem?"
O guarda bonito sorriu. "Não acha que ele vai compartilhá-la com a gente, depois? "
"O quê? Você está louco? Você acha que ele se importa com tipos como nós? Ele nem sequer consegue dizer nossos nomes a metade do tempo. Talvez fosse diferente com Clegane."
"Ele não era o tipo de shows de saltimbancos e prostitutas de luxo. Quando o cão queria uma mulher ele pegava uma mulher, mas às vezes ele nos deixasse tê-la, depois. Eu não me importaria de ter um gostinho da que Pérola Negra. Você acha que ela é rosa entre as pernas?"
Mercy queria ouvir mais , mas não havia mais tempo. O Mão Sangrenta estava prestes a começar, e o Snapper estaria procurando por ela para ajudar com as fantasias. Izembaro pode ser o rei dos Saltimbancos, mas o Sanapper era aquele que todos temiam. Teria tempo suficiente para seu guarda bonito mais tarde.
O Mão Sangrenta abriu uma tumba.
Quando o anão apareceu de repente de trás de uma lápide de madeira, a multidão começou a assobiar e amaldiçoar. Bobono gingou para a frente do palco e os encarou. "O Deus de sete faces me enganou", começou ele, rosnando as palavras. "Meu nobre senhor ele fez do mais puro ouro, e de ouro ele fez meus irmãos, menino e menina. Mas eu fui formado de um material mais escuro, de ossos e de sangue e de barro. . ."
Enquanto isso Marro tinha aparecido atrás dele, magro e terrível em longas vestes negras do Estranho. Seu rosto era negro como suas roupas, seus dentes vermelhos e brilhantes de sangue, enquanto os chifres de marfim se projetavam para cima da testa. Bobono não podia vê-lo, mas os balcões podiam, e agora a plateia também. Cresceu um silencio mortal no Gate. Marro avançava silencionamente.
Assim fez Mercy. Os trajes foram todos pendurados, e o Snapper estava ocupado costurando Daena em seu vestido para a cena do tribunal, por isso a ausência dela não deveria ser notada. Silenciosa como uma sombra, ela deslizou para trás novamente, até onde estavam os guardas que foram deixados do lado de fora do camarote. De pé em uma alcova escura, imóvel como uma pedra, tinha uma boa visão de seu rosto. Ela estudou-o com cuidado, para ter certeza. Sou muito jovem para ele? ela se perguntou. Muito simples? Muito magra? Ela esperava que ele não fosse o tipo de homem que gostava de seios grandes em uma garota. Bobono estava certo sobre seu peito. Seria melhor se eu pudesse levá-lo para o meu quarto, tê-lo só para mim. Mas ele vai vir comigo?
"Você acha que pode ser ele?" O mais bonito estava dizendo.
"O que? Os Outros roubaram o seu juízo?"
"Por que não? Ele é um anão, não é?"
"Ele não era o único anão no mundo."
"Talvez não, mas olha aqui, todo mundo diz o quão inteligente ele era, não é verdade? Então, talvez ele acha o último lugar em que sua irmão iria olhar para ele seria em um show de santimbancos tirando sarro de si mesmo. Assim, ele faz exatamente isso, para ajustar seu nariz."
"Ah, você é louco."
"Bem, talvez eu o siga depois dessa palhaçada. Descobrir por mim mesmo. "O guarda colocou a mão sobre o punho da espada. "Se eu estiver certo, eu vou ser um senhor, e se eu estiver errado, bem, deixe-o sangrar, é apenas algum anão." Ele deu uma gargalhada.
No palco, Bobono estava negociando com o Estranho sinistro de Marro. Ele tinha uma grande voz para um homem tão pequeno, e ele o som de sua voz tocar as mais altas vigas agora. "Dê-me a taça", disse ao Stranger", porque eu hei de beber profundamente. E se o gosto é de ouro e sangue de leão, tanto melhor. Como eu não posso ser o herói, deixe-me ser o monstro, e ensine-os sobre o medo ao invés do amor."
Mercy murmurou as últimas falas com ele. Eram falas melhores que as dela. Ele vai me querer ou não vai me querer, ela pensou, então deixe o jogo começar. Ela disse uma oração silenciosa ao deus de muitas faces, escorregou para fora de sua alcova, e flutuou até os guardas. Mercy, Mercy, Mercy. "Meus senhores", disse ela, "vocês falam bravosiano? Oh, por favor, me diga o que você fala."
Os dois guardas trocaram um olhar. "O que é esta coisa está falando?", Perguntou o mais velho. "Quem é ela?"
"Uma dos saltimbancos", disse o bonito. Ele empurrou seu cabelo loiro para fora da testa e sorriu para ela. "Desculpe, docinho, que não falam seu gibble-gabble".
Que merda, Mercy pensou, eles só conhecem o idioma comum. Isso não era bom. Desista ou vá em frente. Ela não podia desistir. Ela queria tanto ele. "Eu sei a sua língua, um pouco", ela mentiu, com mais doce sorriso de Mercy. "Vocês são senhores de Westeros, disse meu amigo."
O velho riu. "Senhores? Sim, somos nós."
Mercy olhou para seus pés, tão tímida. "Izembaro disse para agradar os senhores", ela sussurrou. "Se houver qualquer coisa que vocês querem, qualquer coisa mesmo..."
Os dois guardas trocaram um olhar. Então o bonitão estendeu a mão e tocou-lhe o peito. "Qualquer coisa?"
"Você é nojento", disse o homem mais velho.
"Por quê? Se este Izembaro quer ser hospitaleiro, acho que seria rude recusar. "Ele deu-lhe um beliscão no mamilo através do tecido do vestido, do jeito que o anão tinha feito quando ela estava arrumando seu pau para ele. "Saltimbancos são a próxima melhor coisa que prostitutas."
"Pode ser, mas esta é uma criança."
"Eu não sou", mentiu Mercy. "Eu sou uma donzela agora."
"Não por muito tempo", disse o bonito. "Eu sou o Lorde Rafford, docinho, e eu sei exatamente o que eu quero. Levante essas saias agora, e incline-se contra a parede."
"Não aqui," Mercy disse, sacudindo as mãos longe. "Não é onde a peça está acontecendo. Eu poderia gritar, e Izembaro ficaria louco. "
"Onde, então?"
"Eu conheço um lugar."
O guarda mais velho estava carrancudo. "O que, você acha que pode simplesmente pular fora? E se o seu cavalheiriço vier procurar por você?"
"Por que ele iria? Ele tem um show para assistir. E ele tem a sua própria prostituta, por que não devo ter a minha? Isso não vai demorar muito."
Não, ela pensou, não vai. Mercy tomou-o pela mão, levou-o para trás e para baixo pelos caminhos até a noite de nevoeiro." Você poderia ser um saltimbanco, se você quisesse", disse ela enquanto ele a pressionava contra a parede da casa de espetáculos .
"Eu?" O guarda bufou. "Não eu, garota. Toda aquela maldita falação, eu não me lembraria da metade."
"É difícil no começo", ela admitiu. " Mas depois de um tempo ele vem mais fácil. Eu poderia ensinar-lhe a dizer uma fala. Eu poderia".
Ele agarrou seu pulso. "Eu vou ser o professor. É hora da sua primeira lição." Ele puxou-a com força contra ele e beijou-a nos lábios, forçando a língua em sua boca. Ele estava todo molhado e viscoso, como uma enguia. Mercy lambeu-o com sua própria língua, em seguida, rompeu com ele, sem fôlego. "Aqui não. Alguém pode ver. Meu quarto não é muito longe, mas se apresse. Eu tenho que estar de volta antes do segundo ato, ou eu vou perder o meu estupro."
Ele sorriu . "Não tema essas coisas garota." Mas ele deixou que o levassse atrás dela. De mãos dadas, eles foram correndo em meio à neblina , sobre pontes e através de becos e até cinco lances de escadas de madeira lascadas. O guarda estava ofegante no momento em que irrompeu pela porta de seu pequeno quarto. Mercy acendeu uma vela de sebo, então dançou para ele, rindo. " Ah, agora você está todo cansado. Esqueci-me de que não é mais tão jovem, senhor. Você quer tirar um cochilo? Basta deitar-se e fechar os olhos, e eu vou voltar depois de ter feito Imp me estuprar".
"Você não vai a lugar nenhum." Ele puxou-a para ele. "Tire esses trapos fora, e eu vou mostrar-lhe quantos anos eu tenho, menina."
"Mercy", disse ela. "Meu nome é Mercy. Você pode dizer isso?"
"Mercy", disse ele. "Meu nome é Raff".
"Eu sei." Ela enfiou a mão entre as pernas dele e sentiu o quão duro ele foi estava através da lã de suas calças.
"Os laços", ele insistiu. "Seja uma doce menina e solte os laços." Em vez disso, ela deslizou seu dedo para baixo ao longo do interior de sua coxa. Ele deu um grunhido. "Porra, tenha cuidado ai, você-"
Mercy deu um suspiro e se afastou, o rosto confuso e assustado. "Você está sangrando."
"O que-" Ele olhou para si mesmo. "Deuses sejam bons. O que você fez comigo sua pequena vadia?" A mancha vermelha já se espalhava por sua coxa, embebedando o tecido pesado.
"Nada," Mercy chiou. "Eu nunca ... oh, oh, há muito sangue. Pare com isso, pare com isso, você está me assustando."
Ele balançou a cabeça, um olhar confuso em seu rosto. Quando ele apertou a mão na coxa, o sangue esguichou por entre seus dedos. Foi descendo pela perna e pela sua bota. Ele não parece tão agradável agora, pensou. Ele apenas parece branco e assustado.
"Uma toalha", o guarda engasgou. "Traga-me uma toalha, um pano, pressione sobre isso. Deuses. Sinto-me tonto." Sua perna estava encharcada com o sangue da sua coxa. Quando ele tentou colocar o seu peso sobre ele, o joelho se dobrou e ele caiu. "Ajude-me", suplicou ele, com a virilha de suas calças avermelhada. "Mãe tenha misericórdia, menina. Um curandeiro ... corra e encontre um curandeiro, rápido agora. "
"Há um próximo ao canal, mas ele não virá. Você tem que ir até ele. Você não pode andar?"
"Andar?" Seus dedos estavam escorregadios com sangue. "Você está cega menina? Estou sangrando como um porco. Eu não posso andar assim."
"Bem," ela disse, "Eu não sei como você vai chegar lá, então."
"Você terá que me levar."
Viu? pensou Misericórdia. Você sabe qual a sua fala, e eu também.
"Você acha?" Perguntou Arya, docemente.
Raff o Querido ergueu os olhos rapidamente enquanto a lâmina longa e fina veio deslizando de sua manga. Ela enfiou em sua garganta logo abaixo do queixo, torceu e rasgou para o lado em um único movimento limpo. Uma chuva fina de vermelho veio a seguir e em seus olhos a luz se apagou.
"Valar Morghulis," Arya sussurrou, mas Raff estava morto e não ouviu. Ela cheirou. Eu deveria tê-lo ajudado a descer os degraus antes de o matar. Agora eu vou ter de arrastá-lo todo o caminho para o canal e rolá-lo para dentro. As enguias farão o resto.
"Mercy , Mercy , Mercy", ela cantou com tristeza. Uma garota tonta e tola ela era, mas de boa de coração. Ela sentiria falta dela, e ela iria sentir falta de Daena e do Snapper e do resto, mesmo Izembaro e Bobono. Isso iria criar problemas para o Sealord e o enviado com a galinha em seu peito, ela não tinha dúvidas.
Ela iria pensar sobre isso mais tarde, no entanto. Agora mesmo, não havia tempo. Era melhor correr. Mercy ainda tinha algumas falas para dizer, suas primeiras e últimas falas e Izembaro teria sua cabecinha vazia se se atrasasse para o seu próprio estupro. 

Ler é Mais

Lorem ipsun